sexta-feira, junho 30, 2006

Jardel em Lisboa

L.Rodrigues

Segundo o jornal A Bola, Mário Jardel está em Lisboa e tem propostas de 2 clubes portugueses, um deles de Lisboa. Será?...

Jardel foi o ponta de lança mais extraordinário que vi jogar. Incapaz de tecnicamente executar os principios mais básicos do futebol, foi o goleador mais mortífero que pude ver jogar. Caíu, nunca mais se levantou e poderá estar acabado.

Mas também pode não estar acabado. Pode-se querer redimir. E neste momento deverá ser um jogador muito barato, com o qual pouco teríamos a perder.

Qual a vossa opinião?

quinta-feira, junho 29, 2006

FIFA entra em campo no Caso Mateus

Blog

A FIFA pediu à FPF cópia de todas as peças do "caso Mateus" e a documentação já terá sido remetida para a sede daquele organismo, em Nyon, na Suiça. Esta diligência dá uma nova dimensão a um caso polémico que deverá conhecer novos desenvolvimentos quando o Conselho de Justiça da FPF apreciar o recurso do Belenenses da decisão de arquivamento da sua queixa pela Comissão de Disciplina da Liga de Clubes.

In Publico, 29/06/2006.

quarta-feira, junho 28, 2006

Videos 08 - Frangos

Blog

Isto é que são frangueiros!

O "poema" e as reacções

L.Rodrigues

Ontem à noite foi aqui publicado no Blog do Belenenses um "poema" da autoria de alguém que assina Kalimero, poema esse que continha expressões que chocaram alguns bloguistas. Devo dizer que não foi fácil decidirmos pela publicação, exactamente por sabermos que iria haver quem não gostasse (e pessoalmente afirmo que não acho aqueles versos dignos de grande nota, mas também não me chocam). Eu não o escreveria, muito menos o publicaria. Mas...

No entanto, gostamos de ser coerentes. Se tantas e tantas vezes pedimos aos bloguistas que nos enviem material para publicar, imaginem qual seria a reacção se "censurassemos" este post? Do que seríamos acusados?

Como alguém referia quando o Kalimero começou a alinhavar estes versos no "chat", estão na linha de um "Bocage do Restelo", com as devidas distâncias. E, para que este blog não precise mesmo de bolinha ao canto do ecrã, melhor será não transcrever aqui um poema do talentoso Elmano Sadino...

Também não gosto de "anónimos" nem de nicks. Mas a verdade é que durante muito tempo muita gente me chamava "Seba", pois era esse o meu nick no Site Oficial. Ou seja, o nick ou o anónimo em si não é um problema. Mas, claro, é meio caminho andado para o problema. Tentámos que fosse publicado com o nome próprio do autor. Não quis. Tudo bem, ninguém morre por isso. Não ofendeu ninguém, quando muito o Gil Vicente.

Quanto a questões levantadas, em termos de "linha editorial", é exactamente isso, não existe. É um blog editado por meia dúzia de pessoas que gentilmente colaboram, mas onde cada um é livre para pensar por si e mostrar as suas convicções. Ninguém censura ninguém e sempre dissemos que gostamos e precisamos de ajuda. Não temos objectivos estratégicos que exijam estratégias concertadas nem pretendemos nada mais do que divulgar o Belenenses e, quando possível, deixar os bloguistas bem dispostos. Essencialmente, a grande "linha editorial", é ser livre e não nos levarmos demasiado a sério. Mas no Belenenses dá-se aos blogues importância que eles não têm...

Resumindo, foi publicado, de seguida já foi publicado um wallpaper e agora vem este "esclarecimento" (livra, isto agora anda numa média de um esclarecimento semanal!). Acho que ninguém morreu, uns gostaram, outros nem por isso, e outros detestaram. Quase que juro que em relação ao wallpaper aconteceu o mesmo: uns gostaram, outros nem por isso, e outros detestaram. Tudo na vida é assim.

Wallpaper 15

V.Silva

Image hosting by Photobucket
Azulão, por Vasco Silva


Clique "abrir artigo completo" para instruções

INSTRUÇÕES:
Para definir esta imagem como wallpaper basta carregar com o botão direito do rato em cima dela e seleccionar: "Definir como fundo".

Em alternativa, podem guardar a imagem no disco (através da opção "guardar imagem como" que parece carregando com o botão direito do rato), nas pasta "as minhas imagens" ou "windows" ou "windows/system". Assim, esta imagem passa a estar disponivel na lista de imagens de fundo (ou wallpapers) que aparece nas propriedades do monitor.

Nota: apesar da imagem aparecer reduzida, ela tem na realidade 1024px de comprimento, sendo assim ideal para esta função.

terça-feira, junho 27, 2006

Cócó fez merda

Poesia... por Photobucket - Video and Image Hosting

Um cocó atrevido…
mexeu no florispalho,
sentiu-se desprevenido,
agarrou-se ao… trabalho.

cocó cantou, fez-se tó,
Riu e ficou contente,
Velhaco, sentiu-se só,
Só c´o juiz-presidente.

Tonto, queria milho.
O vice sacrificou,
Que diabo é filho…
Paz nas tantas votou!

Foi momento de glória,
Foi rei meio paspalho,
Nem ficou memória.
Sucumbiu no c…alho.

Moco se fez Portugal,
Dessa grande mazela,
Só quis ver o mundial,
Galo… nem de cabidela.

Soquetes aturdido,
Gritou a florispalho,
Nóia, estás perdido,
Agarra-te ao… c…alho.

Na liga já se grita,
o cd ficou deserto,
deixa F. P. aflita.
perante recurso certo.

E o desfecho fatal,
Deixou na super-liga,
o belem original
baixa merda que se diga.

Marco é reforço para a baliza

L.Rodrigues

O Belenenses anunciou, através do Site Oficial, a contratação do guarda-redes suplente do SC Braga nas últimas temporadas, Marco.

R.Vasco


Com 28 anos, na época de estreia em Braga, já lá vão 5 anos, chegou a ter algum destaque (se não estou em erro, beneficiou no final dessa época do castigo por doping sofrido por Quim). No entanto, daí a até cá, tem vivido na sombra de Quim e Paulo Santos, sendo que o seu valor é um pouco uma incógnita.

Novo, aparentemente barato (em final de contrato), terá sido contratado para ser suplente de Costinha no início da temporada e, quem sabe, crescer e vir-se a impor no Belenenses num futuro mais ou menos próximo. Boa contratação, apesar de não me esquecer do golo que sofreu na meia-final da Taça de Portugal desse ano em Braga ante o Leixões, com Abílio a bater um livre de muito longe e Marco "aos papéis". Não se há-de repetir.

Boa sorte Marco.

domingo, junho 25, 2006

À conversa com... Nuno Lopes (parte 2 de 2)





Segunda parte da entrevista de Tiago Louro ao grande Nuno Lopes.

Blog: O que é que podemos esperar para a próxima época?

Nuno Lopes
: A próxima época não é fácil por vários motivos. O futsal não passa ao lado da realidade do clube, independentemente de o clube se manter ou não na liga principal de futebol, todos sabemos que o momento financeiro não é o melhor, obviamente que vão haver restrições a todos os níveis, estamos conscientes disso, estamos conscientes dos menores custos que temos em relação a outras modalidades de alta competição, o que nos pode ser benéfico ou não, em termos dos furos do cinto que temos de apertar poderão ser menos, no entanto, poder-nos-á impedir de dar o passo seguinte, embora isso não seja condição sine qua none, para se fazer um bom trabalho, é um indicativo de, mas não é condição.

Temos de viver numa realidade bem cuidada, gerir muito bem o nosso orçamento, não vai haver incremento de orçamento, antes pelo contrário, mas nós continuamos a ser ambiciosos, fazer melhor do que esta época vai ser difícil porque podemos não ter capacidade para reforçar as condições de trabalho da forma como desejamos, no entanto tenho a certeza que todo o grupo de trabalho vai ter as melhores condições de trabalho para o funcionamento da próxima época, o que penso irá ser suficiente para dar ao clube o prestigio e dignidade que merece.

Poderemos não ter aqui os jogadores que eventualmente, e se as condições financeiras e se o aumento de orçamento existisse, desejávamos, mas teremos aqueles que queremos com o orçamento possível e de certeza que aqueles que vamos ter vão fazer jus ao nome de Conquistadores que este grupo simpaticamente granjeou no seio dos adeptos.


Blog: Já há nomes garantidos para a próxima época?

Nuno Lopes
: Já há nomes garantidos. Todo o trabalho para que possa ser bem feito tem de ser planeado com bastante antecedência e com os pés bem assentes no chão para que os frutos possam surgir.

Já existem nomes, já existem atletas com acordo que a seu tempo a direcção irá divulgar, até porque em termos de treinos a nossa época ainda não acabou, há certos pormenores para resolver ainda desta época, há jogadores que saiem e outros que entram, mas são poucos os pormenores pois todo o resto do trabalho está já feito.

Graças a deus existem hoje em função do bom trabalho até então, um sem número de atletas a gostarem de representar o Belenenses quer pelo clube, quer pelo grupo de trabalho, quer pela sede de vencer e serem conhecido. Sempre foi assim. Eu quero lembrar que há atletas marcantes ao longo destes três anos, não estou a cometer nenhuma inconfidência ao dizer que no 2º ano diziam que este era um grupo velho, era um grupo muito experiente com atletas com nome na modalidade como o Nuno Neves, como o Paulo Jesus, como o Nuno Coelho, como o Paulo Castelinho, como o Carlos Reis, como o Marco Reis que em conjunto com todos os outros que se queriam afirmar como o Luís Vilar, como muitos outros, se calhar estou a ser injusto para alguns ao não os referir mas que funcionaram muito bem e que esta equipa técnica soube tê-los e hoje são um símbolo do clube.

Emocionou-me profundamente ver uma faixa no último jogo em casa aqui que dizia: “Carlos Reis, obrigado, tu és um símbolo”, porque é realmente um símbolo, um jogador que a meio da época da 3ª divisão bastou um telefonema de 30 segundos a perguntar, Carlos Reis queres vir jogar para o Belenenses para a 3ª divisão? E a resposta foi sim, sem preocupação de qualquer tipo de acordo em termos financeiros e isso ainda hoje me marca e todos os outros anos em que nunca houve discussão acerca de renovação com esse jogador e é notável o brio e a entrega e a raça que ele sempre colocou em campo. A ele e a todos os outros porque não me quero esquecer de nenhum, o meu muito obrigado por todo o suor.

Obviamente que houve jogadores que não renderam aquilo que nós esperávamos, que ficaram aquém da aposta que o clube fez neles, este ano isso foi por de mais evidente, nós começamos a época com 16 jogadores e acabamos com 13, sinal de que o clube de uma certa forma não pactua com laxismos nem com faltas de empenho nem com sub-rendimentos quando está em jogo o investimento do clube, se os atletas não têm predisposição de se entregarem a 100% e de corpo e alma como todos os colegas o fizeram durante a época, obviamente que temos que falar e esses atletas deixaram de pertencer ao grupo, uns por uma razão, outros por outra. Não terá sido, única e exclusivamente por falta de empenho mas também por razões pessoais da sua vida, mas gostava de para o ano chegar ao final da época com todos os elementos que a começaram porque era sinal que todos eles deram 100% da sua entrega e do seu valor ao clube.


Blog: Vão haver muitas mexidas no actual grupo de atletas?

Nuno Lopes
: Não. Vai haver essencialmente o reforço daquilo que o clube, e de acordo com aquilo que a sua equipa técnica entende para que a prestação do próximo ano possa ser melhor, mais equilibrada, mais sólida, mas não vão haver muitas mexidas nestes 13, vai haver entradas e saídas, as coisas acabam por ser por de mais evidentes e basta estar atento ao grupo de trabalho e ver quem são as eventuais saídas.


Blog: Em que situação é que estão os escalões de formação?

Nuno Lopes
: Os escalões de formação são uma aposta que me é gratificante ver, que o clube quer fazer para este ano. Começamos com o escalão júnior o ano passado que por inexperiência não conseguiu logo o acesso à divisão maior, o campeonato do ano passado tinha algumas nuances competitivas que não nos foram favoráveis, na altura ficámos a poucos golos de puder disputar a fase de ascensão à 1ª divisão. A meio da época tivemos de fazer alguns acertos no grupo de trabalho, houve mudança de treinador, este treinador veio incutir no grupo de trabalho a mística do Belenenses e o trabalho feito durante a época que passou deu frutos também este ano. Esta equipa foi sempre superior a todas as outras, não que tivessem uma superioridade técnica avassaladora em relação aos outros grupos de trabalho, às vezes até pelo contrário mas trabalharam sempre muito e quis sempre ganhar, à semelhança daquilo que deve ser o Belenenses, e pelo bom trabalho feito semanalmente, acabou a época sendo superior a todos os seus adversários.

A aposta em relação ao próximo ano, é gratificante para mim, porque ver que o clube sem prejuízo do seu orçamento, sem incremento de carga horária e sem prejuízo das outras modalidades, vai apostar ainda mais no futsal, avançando com o escalão de juvenis que é muito importante, pois os jogadores saiem desse escalão já com a forma de jogar à Belenenses que nós queremos, de maneira a que ao surgirem nos juniores, o salto para os seniores seja feito mais facilmente e terem ainda mais qualidade pois é nossa intenção ter atletas na selecção, é nossa intenção trabalhar a formação e criar jogadores como atletas e como homens, obviamente sem descurar que quem defende a camisola do Belenenses tem de lutar sempre para os primeiros lugares que é isso que vai acontecer.

Pensamos e queremos ter também umas escolinhas de futsal em que estará ainda em análise a sua forma de actuação mas que vem no seguimento da aposta que este clube decidiu fazer e em boa hora no futsal. É-me muito gratificante ver que muitos dos atletas juniores integraram e com sucesso o grupo de trabalho dos seniores muitas vezes a treinarem juntos e algumas vezes a serem convocados, o que atesta bem da sua qualidade. O indicativo disso mesmo, é que relativamente à próxima época, do grupo de trabalho que iniciará o escalão sénior, haverá 2/3 jogadores do escalão de formação e isso não acontece por caridade, acontece porque os atletas têm valor. Seria impensável para esta equipa técnica e para este grupo de trabalho ter alguém no seu seio que não tivesse qualidade, os jogadores que vão subir a seniores têm qualidade e com o trabalho realizado diariamente no escalão principal, vão puder ser alguém no futsal daqui a uns anos, se continuarem a trabalhar como sempre o têm feito, com muita humildade, muita abnegação, à semelhança daquilo que é a imagem dos seus colegas mais velhos.


Blog: Haverá a aposta em algum atleta estrangeiro?

Nuno Lopes
: Essa hipótese está de momento posta de lado.


Blog: Devido à situação que o clube atravessa?

Nuno Lopes
: Também, a situação de puder ter um atleta estrangeiro terá que ser analisada de várias formas, um dos motivos é o não incremento de orçamento, logo isso aí é limitativo, mas este ano também não houve nenhum estrangeiro e o grupo teve muita qualidade. O jogador estrangeiro será uma mais-valia se integrar o grupo de trabalho com o mesmo querer e vontade. É complicado ter um atleta profissional numa modalidade que não o é no seio do Belenenses, ter o atleta parado durante o dia para treinar à noite. Não escondo que foi uma hipótese equacionada porque um jogador estrangeiro com valor, nomeadamente brasileiro, deverá ser analisado caso a caso. Há jogadores estrangeiros que são baratos, outros nem tanto mas pelo seu rendimento acabam por o ser e há aqueles muito caros quer pelo seu rendimento, quer pela realidade do clube. Mas foi uma hipótese que equacionámos.


Blog: A excelente época feita pelo clube atraiu a atenção sobre algum atleta, nomeadamente ao nível de selecção ou de clubes com outro poderio económico?

Nuno Lopes
: Todos os atletas do Belenenses foram observados por outros clubes, não tenho a mínima dúvida. Os atletas mais utilizados foram cobiçados por outros clubes, no entanto o Belenenses sempre teve a sua forma, digamos inteligente, de funcionar, os atletas têm contrato desportivo e para além de estarem contentes por representar o Belenenses, todos os atletas que nos interessavam têm vínculo contratual á bastante tempo para a próxima época. Mas não tenho dúvidas que todos os atletas foram cobiçados. E não estou longe da verdade, quando digo que toda a gente conhecia um Miguel Fernandes, um Pedro Caetano que são monstros da modalidade, um Marco Reis que fez esta época a sua melhor de sempre depois de em alguns meandros do futsal ter sido dado como acabado, de um Cristiano ter finalmente revelado o gigante que é, dos melhores guarda-redes a nível nacional e um guarda-redes de selecção, de um Carlo que foi uma surpresa para toda a gente, um guarda-redes de extrema qualidade que em nada fica a dever ao Cristiano, mas também jogadores que ninguém conhecia como o Nuno Monteiro que vem connosco desde o princípio e que foi para muitos, não para nós, uma surpresa para a modalidade, de um jogador ex-júnior com grandes tempos de utilização como o Ricardo Cardita, que estando ainda numa fase de terminal da sua formação foi muito importante e muito útil, é um atleta que precisa de aprender muito, que tem de continuar a ter a humildade de aprender e de querer aprender, mas que terá sido também uma surpresa para muita gente, outro atleta, quem é que conhecia o Hugo Simões a não ser as pessoas intimamente ligadas ao futsal profundo? E quando digo profundo, falo inclusivamente a nível de distritais, foi talvez uma surpresa para muita gente, mas hoje já é reconhecida a sua classe de batedor de livres de 10 metros, a sua utilidade defensiva, a sua utilidade táctica. Houve também outros jogadores que se revelaram mas não tenho qualquer tipo de dúvidas nenhumas que estes jogadores do Belenenses foram muito observados pelas outras equipas e é um handicap que teremos para o próximo ano, porque já não somos uma surpresa, as pessoas já conhecem o nosso valor e vão estar preparadas e vão olhar para o Belenenses com mais respeito ainda do que este ano.


Blog: Tens algo a acrescentar sobre os atletas, nomeadamente aqueles menos utilizados?

Nuno Lopes
: Já disse tudo acerca desse tipo de situações, se foram muito ou pouco utilizados é porque a equipa técnica assim o entendeu. Faço-me valer destas palavras para todos os jogadores deste plantel. A equipa técnica decidiu e os resultados estão à vista, decidiu da forma como achou melhor, os resultados foram bons, os jogadores que tiveram menos tempo de utilização foi porque a equipa técnica achou que em função das suas prestações em treinos e jogos, eram atletas que lhes ofereciam menos garantias de bons resultados. A equipa técnica é soberana nessa situação e em todas as que dizem respeito à gestão do plantel, nunca houve por parte da direcção qualquer interferência no trabalho da equipa técnica e se houve atletas com menor rendimento, haverá que apelar a vários factores para se puder descobrir o porquê.


Blog: O Pedro Serra, que acabou por ser emprestado, foi um jogador seguido pelo clube?

Nuno Lopes
: Sim. O Pedro Serra foi emprestado ao NS Tires porque em função da sua menor utilização, ao invés de querer ficar e trabalhar mais, mais, mais e mais para puder procurar o seu lugar que haveria de ser merecidamente seu se tivesse cá ficado, esperado e lutado pela sua vez. Mas preferiu sair. Obviamente que foi observado, tirámos as nossas ilações e a decisão que irá ser tomada juntamente com todas as referentes aos outros atletas será brevemente revelado a público. Posso acrescentar que o Serrinha saiu por motivos semelhantes, com a entrada de um novo jogador, e volto a frisar que não houve troca de jogadores, não trocámos o Serrinha pelo Hugo Simões; devido à entrada do Hugo Simões no plantel e como o Serrinha não estava a ser utilizado com a regularidade que ele queria, entendeu sair para puder ser útil e fazer aquilo que gosta, que é jogar, foi perfeitamente entendido pela equipa técnica e pelo clube, trabalhou, lutou muito, subiu de divisão e o seu actual clube, o Odivelas só tem de agradecer ao Serrinha e aos seus jogadores porque em boa hora integrou o grupo de trabalho e conseguiu a subida de divisão, que foi muito importante para o Odivelas. Tudo de bom para o Serrinha porque ele merece.


Blog: Queres falar de mais algum assunto que não tenha sido abordado ainda?

Nuno Lopes
: Quero essencialmente agradecer aos adeptos toda a força que foi dada e se muitas vezes estes jogadores estavam no limiar das suas forças físicas, iam sempre buscar uma bolsa de oxigénio ao adeptos devido ao apoio. Eu quero lembrar que em casa a equipa do Belenenses foi quase sempre superior a todas as outras, melhores resultados que o Belenenses em casa apenas algumas equipas profissionais e isso é elucidativo, quer da nossa boa prestação mas também da importância que o nosso público tem.

É para os adeptos que este clube existe, este clube é um clube de associados e só existe porque os tem e todos os resultados desportivos que se querem positivos, são em 1º lugar para os adeptos. Este é um clube com um historial muito grande, com valores muito importantes, com pergaminhos que têm de ser respeitados e que importa dignificar e qualquer equipa que entre, e essa foi sempre a nossa postura, com esta camisola vestida terá sempre de dignificar tudo aquilo que disse atrás. Isto foi feito pelo nosso grupo de trabalho ao longo destes três anos. Mas houve sempre uma retribuição muito grande por parte dos adeptos e eu não me posso esquecer disso e fica aqui um agradecimento com a promessa de sempre, enquanto este grupo de trabalho tiver estas características, que em qualquer pavilhão que entre o futsal do Belenenses entra sempre para ganhar, pelo clube, pelo grupo de trabalho e muito especialmente pelos adeptos, que merecem tudo.

Não esqueço o apoio que sempre foi dado pela direcção do clube quer pelo seu actual Presidente e restante direcção como pela direcção anterior, não posso esquecer nunca do apoio dado por todos os funcionários do clube a quem eu tenho muito que agradecer e com quem muito aprendi, não posso esquecer de todos os outros seccionistas das diversas modalidades que sempre colaboraram com esta secção em tudo e foram sempre inexcedíveis, não posso esquecer de muita gente do mundo do futsal que sempre ajudou o Belenenses e que tem hoje pelo Belenenses um respeito enorme e essencialmente não me posso esquecer do grupo de trabalho, por isso a minha última palavra é sempre o meu muito obrigado a todos os grupos de trabalho que estiveram cá durante estes três anos, aos meus meninos dos juniores que foram fantásticos e é para todos aqueles que me acompanharam neste ciclo de três anos que vai o meu agradecimento.

Um abraço muito especial ao Filipe Bernardino, que nos acompanhou desde a 1ª hora.

Será verdade???

L.Rodrigues

Fala-se, em blogs e por sms, que o Conselho Geral decidiu propor a extinção do andebol, basquetebol e futsal, como forma de contornar a crise financeira que tem atingido o Belenenses. Penso que não seja verdade, pois tal significaria uma completa falta de visão estratégica do clube e poderia ser o estreitar do funil em direcção ao abismo.

O problema do Belenenses, sejamos honestos, foram essas modalidades? O milhão de contos (grosso modo) gasto no futebol não chegava e sobrava e voltava a sobrar para não acontecer o que aconteceu??? Não andámos a lutar contra equipas que gastam um quarto desse valor??? Compreendo que nessas modalidades, gastando-se qualquer coisa como 2 milhões de euros, se possa (e seja urgente) fazer um corte importante. Daí a extingui-las, é falta de visão.

Não sei se será verdade ou não. Sei que só a ideia que corre e assusta os adeptos azuis (o raio do telemóvel não para de receber mensagens) é, realmente, merecedora de clara preocupação. Mas, importante, o Conselho Geral é um mero órgão consultivo.

Espero que impere o bom senso e não o sensacionalismo.

sábado, junho 24, 2006

sexta-feira, junho 23, 2006

http://belenensesrugby.com.sapo.pt

R.Vasco
«Este pequeno slideshow pretende homenagear os atletas, técnicos e dirigentes do Clube de Futebol «Os Belenenses», que ao longo da temporada desportiva 2005/2006 deram o seu melhor em prol da camisola azul da Cruz de Cristo.

Simultaneamente, ele é o balanço de muitos meses de acompanhamento da equipa sénior (e não só...), a qual fotografei incansavelmente. O resultado desse trabalho de foto-reportagem encontra-se assim resumido nesta pequena composição.»

À conversa com... Nuno Lopes (parte 1 de 2)





No final de mais uma brilhante temporada dos Conquistadores, fomos entrevistar o nosso director desportivo Nuno Lopes.

Blog: O que é que nos tens a dizer sobre estas três, fantásticas, épocas do Belenenses?

Nuno Lopes: No término desta terceira época chegamos ao final, daquilo que eu tenho vindo a dizer, de um ciclo projectado, em que nada foi deixado ao acaso.

Quando o futsal se iniciou no Belenenses, a direcção pediu-nos que em dois anos se atingisse a 1ª divisão, ao que acrescentamos mais um ano, que foi o da consolidação na 1ª divisão. Penso que além dos objectivos estabelecidos pela direcção, a análise que se pode fazer é que tudo isso foi obtido com distinção, pois para além das subidas de divisão, o clube e os adeptos foram presenteados com dois titulos nacionais. As presenças na taça de Portugal, nos dois anos iniciais, foram brilhantes, por isso a nivel desportivo penso que todos os objectivos foram cumpridos com distinção.

Este ano fomos considerados pela imprensa da modalidade a equipa revelação, por todas as razões, por ser uma equipa que ia no seu terceiro ano de formação, por ser uma equipa vinda dos escalões secundários, por não contar com atletas profissionais, por ter também sobre si o peso de uma camisola que pesa muito, porque um clube com a grandeza do Belenenses teria de estar no futsal da mesma forma, com grandeza. Eu penso que tudo isso foi obtido com muita distinção.


Blog: Nesta época de estreia na 1ª divisão, alguma vez vos passou pela cabeça não atingirem os objectivos?

Nuno Lopes
: Na minha cabeça e na deste grupo de trabalho não. Obviamente que não te vou mentir se disser que nesta época houve alturas complicadas, em que, em função dos resultados obtidos no imediatos, porque num clube como o Belenenses, o imediato conta muito, isso tivesse mexido com o interior do grupo de trabalho mas nunca ao ponto de se instalar a descrença ou por em causa os objectivos.

Posso destacar que houve alturas muito importantes nesta época. A temporada foi muito complicada em que durante a pré-época e a própria planificação da mesma, embora os resultados sejam o menos importante, e aquilo que nos interessava era dotar esta equipa de experiência de competição com equipas melhor preparadas e melhor apetrechadas que a nossa, independentemente dos resultados não interessarem muito, não deixa de ser desprestigiante para um clube como o Belenenses, sofrer resultados como aquele que sofreu no torneio do Freixieiro e em função disso e por também o clube não estar preparado para alguns dissabores que daí pudessem advir por competir com equipas mais experientes, esse resultado fez com que se iniciasse o campeonato, não digo sobre brasas, mas com a necessidade de termos de provar a nós próprios que poderíamos ser uma equipa com bases fortes de 1ª divisão.

O 1º jogo com o Piedense como a 1ª deslocação para jogar com o Rio Ave foram jogos em que a equipa não estava totalmente tranquila, fruto da inexperiência como grupo e não como jogadores, foi uma altura importante da época. Houve outras duas em que após um período menos conseguido em termos de pontos, foram 5/6 jornadas seguidas que culminou na 1ª vitória obtida fora, no campo do Sassoeiros, arrancada a ferros por muitas razões, fruto da intranquilidade vivida, não da descrença, criada interna e externamente, porque ninguém no Belenenses gosta de perder, mas que foi uma fase em que o grupo se uniu mais e quem viu esse jogo em Sassoeiros ficou bem patente que essa vitória só foi conseguida em função do valor do grupo de trabalho, da sua união e do acreditar neles próprios.

A partir daí criou-se de novo uma harmonia grande e o acreditar que o trabalho iria dar frutos. O acreditar nesta equipa técnica foi uma constante, independentemente dos boatos vindos do exterior que esta equipa técnica estava em perigo, mas tive sempre uma confiança cega neles pois nunca duvidei do seu valor, nem sequer admitia qualquer questão que fosse posta nesse sentido, tanto que depois desse jogo em Sassoeiros seguiram-se duas inequívocas vitórias em casa frente ao Sporting de Braga e ao Alpendorada e que demonstraram o valor do trabalho efectuado. O resultado do jogo do Piedense fora, acho que ainda hoje podíamos lá estar a tentar marcar golos que não conseguiamos… E depois vêm 2/3 jogos em que veio ao de cima o trabalho realizado, para além da vitória caseira frente ao Rio Ave, seguiu-se a vitória no terreno do Sporting de Pombal, com muita garra, luta e amizade deste grupo de trabalho, frente a um grupo com tradições, obrigações e responsabilidades no panorama do futsal, vitória essa que tentaram camuflar porque fomos sempre superiores e vulgarizamos o Sporting de Pombal, coisa que causou sempre muita azia aos seus responsáveis. Para finalizar esta série, ganhamos em casa ao Olivais, uma equipa fantástica, conforme demonstrou neste play-off, uma equipa muito bem construída, muito sólida e que nós, fruto do nosso trabalho diário, intenso, em que sempre acreditamos que iria dar frutos, conseguimos aqui vencer o Olivais, coisa que nem todos conseguiram e a partir daí foi o continuar, mas com muita serenidade e com todo o apoio quer interno quer externo, as pessoas acreditaram que estes atletas tinham muito valor e que iria conseguir a permanência na 1ª divisão.


Blog: Qual o momento mais negativo desta época?

Nuno Lopes
: O mais negativo foi a derrota no pavilhão Açoreana Seguros, há jogadores que nunca tinham perdido por aqueles números, não há muito para explicar, como disse um sócio, essa derrota só acontece com uma equipa que quer ganhar o jogo, embora isto pareça paradoxal, é verdade. Se assumissemos uma postura de perder por poucos, perdiamos por poucos, mas nós fomos jogar esse jogo como sempre jogamos contra equipa profissionais, sendo ousados, em que alcançámos resultados bastante nivelados, nomeadamente frente ao Sporting, em que demonstramos que poderíamos ter sido mais felizes, mas é óbvio que perder por aqueles números deixa sempre marcas, no bom e no mau sentido.

Vi lágrimas na cara do grupo de trabalho e depois vi lágrimas de comoção, que é um momento que eu nunca mais esquecerei na minha vida, que foi na 2ª feira seguinte, durante o intervalo de um jogo de futebol, dezenas e dezenas vieram manifestar-se, e quando os atletas pensaram que era em protesto, foi sim, apoiá-los. Isso é demonstrativo da união existente. A derrota foi um momento marcante pela negativa. Pela positiva foram aqueles que eu já referi, a vitória no terreno do Sassoeiros e as duas vitórias seguidas frente ao Sporting de Pombal e ao Olivais.


Blog: Que tens a dizer sobre o apoio dos adeptos ao longo destes três anos?

Nuno Lopes
: Foi fantástico, ainda hoje me é dificil explicar o apoio. Relembro que no início destes 3 anos, a equipa fez um treino contra o GROB que depois originou o Odivelas, para esses atletas era surreal ter cerca de 20/30 pessoas a assistir ao jogo no polidesportivo com faixas e com tambores a incentivar os jogadores. Isso foi um indício para o começo da modalidade no clube. Na altura havia duas claques muito representativas, enquanto agora há só uma, mas o apoio das duas nesse ano foi muito importante. Todos os jogadores que já representaram o Belenenses em futsal nunca foram elitistas, ou seja, nunca viveram com saltos altos, foram jogadores que sempre gostaram de conviver com adeptos, que sempre gostaram de conversar com adeptos, para quem era importante o incentivo e um abraço dos adeptos, para quem era importante um aperto de mão e um tomar de café para conhecerem os adeptos. Eles sabem o nome dos adeptos. É comum ver-se em todos os jogos os jogadores saudarem sempre os adeptos, seja qual for o resultado. Há jogos marcantes neste pavilhão.


Blog: Queres destacar algum jogo?

Nuno Lopes
: Não mais esquecerei o jogo contra o Coimbrões, foi electrizante. São momentos que só de pensar provoca pele de galinha porque quem está sentado naquele banco e a jogar contra uma equipa de 1ª divisão recheada de bons valores, o resultado era desfavorável para nós, em termos de condição física estavamos a anos-luz do adversário, portanto, a recuperação no marcador só foi possível com o apoio do público e com a força que os atletas tinham. Foi emocionante ver tanta gente a apoiar o clube.

Houve outros, tal como em Marinhais, em que o pavilhão se encheu de Belenenses, a festa aqui com o Marinhais, a festa em Braga em que os jogadores comemoraram com os adeptos, mesmo com algumas derrotas este ano, os adeptos viam em nós aquilo que gostariam de ver no clube no seu todo, uma equipa ganhadora, com mística, com garra, com alma, que respeita os pergaminhos do clube e que respeita os seus valores, com gente que gosta de estar no Belenenses, e que não era pelo pequeno subsidio que era dado pelo clube que lutava como lutava para engrandecer aquela camisola, as pessoas gostavam de nós por tudo isso e isso merecia, acima de tudo, o nosso respeito. Houve muitos momentos marcantes, se calhar estou a ser injusto ao não referir outros, mas pessoalmente, estes foram os que me marcaram mais.


Blog: Queres acrescentar mais alguma coisa a estas três épocas?

Nuno Lopes
: Estas três épocas foram marcantes e eu não posso deixar de enaltecer aqui, e fi-lo no principio desta época, quando acabaram os dois primeiros anos, mas não posso deixar de agradecer mais uma vez, do fundo do coração, a todas as pessoas que trabalharam comigo e para o clube a título gratuito, não me posso esquecer de todos os seccionistas, é dificil ter aqui pessoas todos os dias desde as primeiras horas da tarde até perto da meia-noite, mas não podia deixar de agradecer ao Paulo Pereira, ao António Silva, ao Eduardo e a todos os que tornaram isto possível porque isto não é fácil, assumir que é sempre para subir, tudo isto obriga a muitas horas, não me posso esquecer de muitos jogadores que já cá não estão, outras estão no clube ligados às equipas técnicas, o capitão do 1º ano Carlos Teixeira foi muito importante para o Belenenses, estando actualmente ligado à equipa junior onde dá continuidade á mística do futsal do Belenenses.

E eu gostava que esta mística fosse do clube, transversalmente, em todas as modalidades, adorava, enchia-me de orgulho e só iria deixar satisfeitos os adeptos pois era sinal de que as equipas do Belenenses lutavam até ao último minuto pelo melhor resultado, porque se se tiver valor e estivermos unidos, os resultados aparecem, seja em que modalidade for, não quero com isto dizer que nas outras modalidades isto não acontece, eu sei da minha, não quero opinar sobre as outras, concerteza que numas acontece, noutras acontece menos e os resultados estão à vista.

Sem qualquer tipo de bajulação, quando este projecto se iniciou foi construído à volta de uma pessoa, porque não é fácil trazer jogadores para a 3ª divisão, quando estes têm categoria de 1ª divisão, o clube conta muito, o engrandecimento dos atletas quando vestem a camisola do Belenenses é enorme, mas que ninguém duvide que não é fácil, quando não havia um orçamento muito grande e o valor oferecido aos atletas como subsídio para os seus gastos era mais baixo em função daquilo que tinham noutros clubes, e aí funcionou sempre e até a própria credibilização do projecto beneficiou com isso, este foi um projecto que funcionou sempre à volta de uma cabeça, cabeça essa era o nosso treinador Manuel Jorge, era e irá continuar a ser, pois mostrou a toda a gente que o critica por despeito e inveja, que sempre acreditou no seu trabalho, valorizou-se em termos académicos a custos próprios, lutou muito por aquilo em que acreditava, transformou muitos jogadores, porque havia jogadores em quem ninguém acreditava e este técnico a uns recuperou, a outros deu tudo aquilo que eles são hoje e eu sei que esses jogadores lhe estão agradecidos, se não houvesse essa figura, dificilmente o projecto tinha tido o êxito todo que tem agora, por isso, o seu a seu dono, foi a pessoa mais importante deste projecto todo.


Fim da primeira parte. Segunda parte sobre o futuro do futsal do Belenenses irá ser publicada em breve.

Mundial 2006: jogos do dia

GRUPO H (15:00)
x
UCRANIA x TUNISIA
x
A.SAUDITA x ESPANHA
GRUPO G (20:00)
x
SUIÇA x COREIA S.
x
TOGO x FRANÇA

quinta-feira, junho 22, 2006

Orgulho no Rugby !!!

M.S.Garçao

São estes os gritos de vitória!!! [ver post]

Pena é só os ouvir no Rugby, desporto que sempre nos dá mais qualquer "coisita".
Em tempos fui atleta do Belenenses em Rugby e testemunhei muitas coisas bonitas neste nosso clube, o companheirismo, o amor à camisola e o desejo de querer vencer, eram sentimentos partilhados por todos os jogadores.

Na altura, ainda novos, jogávamos e pagávamos a inscrição anual, faziamo-lo por puro prazer, não por um futuro, mas pelo presente, jogo a jogo defendia-se a todo o custo
as cores e o símbolo que levávamos ao peito.

Sabiamos que era um desporto Amador, mas isso não nos desmotivava, muito pelo contrário, redobrávamos o nosso esforço para que este desporto cresce-se e ao mesmo tempo, fizesse crescer o Belenenses também.

Não estava em questão o dinheiro ou outros valores materiais, apenas a nossa dignidade e orgulho naquilo que fazíamos. Hoje em dia de fora das quatro linhas, limito-me a ver de vez em quando estes verdadeiros Guerreiros, a sua vontade e determinação em ajudar o Belenenses, o orgulho com que envergam a nossa camisola e a vontade com que lutam jogo a jogo, fazem deles uns heróis Belenenses.

A estes jogadores, um forte abraço de parabéns por tudo o que já deram ao nosso Belenenses e por tudo aquilo que ainda nos vão, e disso não duvido nada...

Força Belém !!!

Se quiserem saber mais sobre este desporto, vão aqui e vejam como nasceu, como se pratica e muito mais !!!

quarta-feira, junho 21, 2006

Wallpaper 14

Photobucket - Video and Image HostingBlog
O Blog do Belenenses disponibiliza o primeiro wallpaper para a consola PSP, cortesia do nosso amigo Mariaxi.




Image hosting by Photobucket
José Pedro, por Máriaxi, para a PSP


Clique "abrir artigo completo" para instruções

INSTRUÇÕES:
Siga este link para saber como instalar o wallpaper

segunda-feira, junho 19, 2006

Faça perguntas a Cabral Ferreira



O Site Sportugal.pt, que se tem apresentado como uma lufada de ar fresco na pouco imaginativa comunicação social desportiva portuguesa, entrevistará na próxima 2ª feira o Presidente do Belenenses, Cabral Ferreira.

No entanto, o site informa que está disponível para receber por e-mail (geral@sportugal.pt) questões que os leitores pretendam ver respondidas. Aqui está uma boa oportunidade para clarificarmos algumas situações.

Cabral Ferreira na SIC Notícias

Blog

O Presidente do Belenenses, Eng. Cabral Ferreira, estará ao final da manhã (12:15) na SIC Notícias, no Jornal de Desporto, onde será entrevistado em directo relativamente ao "Caso Mateus".

Esta entrevista será repetida no Jornal de Desporto das 16:30 e das 19:30.

domingo, junho 18, 2006

João Ricardo desejado???

L.Rodrigues

Segundo noticía hoje o jornal A Bola, o Belenenses está interessado em garantir o concurso do guarda-redes João Ricardo, presentemente a representar Angola no Mundial da Alemanha, e que se encontra desempregado há já 1 ano.

Nestas coisas do futebol, já se sabe que se passa de besta a bestial e de bestial a besta num segundo. O João Ricardo vive nos últimos dias a fase bestial, provavelmente a última da sua já longa, e modestíssima, carreira.

Destacou-se há já uma década no saudoso Académico de Viseu, donde transitou para o ainda mais saudoso Salgueiros, onde passou anos a fio a conhecer os meandros do banco. Mais recentemente, jogou no Moreirense, onde finalmente se deu a conhecer ao mundo, sem nada de registo. Mas eis que, de repente, e após um ano em que "ninguém pegou nele", surge no Mundial e por meia dúzia de defesas vistosas (e com qualidade, atenção), já é uma vítima do futebol português e merece um clube de topo.

Marco Aurélio sofreu uma lesão grave e, claro está, necessitamos de um guarda-redes suplente para o início da temporada. Nesse sentido, e se for um jogador barato (muito barato), é um jogador obviamente a ter em conta. Pessoalmente, Costinha está muito longe de me encher as medidas. Mas a qualidade de Costinha está a anos luz da de João Ricardo.

Barato, sim. Craque, não é de certeza.

sexta-feira, junho 16, 2006

Belenenses é o 4º grande

Blog

Entrevista de Bruno Pires, publicada no site Sportugal:

Tacticamente, é considerado um dos melhores treinadores portugueses. Sérgio Conceição, Miguel, Jorge Andrade e João Paulo, entre outros, devem-lhe o ingresso em equipas de topo. Assinou neste defeso pelo Belenenses, até 2009, um dos dois objectivos a que se propôs no início de carreira. Falamos de Jorge Jesus, um homem crítico sobre quem manda no futebol português, mas radiante por estar num emblema que sempre venerou. Primeira Liga ou Liga de Honra? Jesus só equaciona um cenário…

Estava na U. Leiria, parecia que ia permanecer, mas optou pelo Belenenses e pela Liga de Honra. Porquê?
Não foi uma decisão fácil, tinha tudo projectado para a próxima época da U. Leiria e já tínhamos, inclusivamente, estipulado fazer uma temporada melhor. Classificámo-nos em sétimo, e, em face das condições e da qualidade que a equipa tinha, e com mais quatro ou cinco reforços, podíamos atacar a Europa. Tínhamos a ambição de ficar entre o sexto e o quinto.

Mas depois surgiu o Belenenses…
O convite do Belenenses levou-me, uma vez mais e como é apanágio meu, a assumir o risco. Eu só coloco a hipótese de jogar na I Liga, mas a verdade é que estava num projecto definido e arrisquei. Por outro lado, o Belenenses tem uma projecção maior, um passado histórico só superado pelos três grandes. O Belenenses é o quarto grande. Volto a dizer que não foi fácil decidir. Claro que, se o Belenenses não ficar na I Liga, para mim e para o clube, desportivamente falando, a situação não é a ideal.

O facto de já ter jogado no Belenenses mexeu consigo...
Quando assinei, pensei que estava a assinar com um clube grande, não me importava se era na I ou na Liga de Honra. O que me importava mais era o sentimento, porque já tinha representado o Belenenses. Aliás, quando comecei a minha carreira de treinador propus-me a treinar, um dia, duas equipas: uma era a do Belenenses, a outra não digo.

Também já representou o Sporting… A outra não digo.

Sente-se uma grande emoção da sua parte quando fala do Belenenses… O Belenenses é um clube enorme, vou com uma vontade muito grande de transportar as minhas ideias para a prática, tentar acompanhar a grandiosidade do Belenenses em termos desportivos. O clube tem muitas janelas, precisa de uma estrutura desportiva sólida.

Na Liga de Honra, a meta é, logicamente, subir ao escalão maior.
Não, não é, porque o Belenenses vai ficar na I Liga.

Dá como certa a manutenção na I Liga. Se isso acontecer, a Europa pode ser um desafio real?
Não. O Belenenses não tem estrutura para atingir a Europa. Precisa de uma dinâmica colectiva que ainda não tem. O objectivo será estabilizar, e para o ano vamos tentar abraçar esse projecto. O Belenenses tem de estar sempre nos primeiros seis, sete lugares. Também estive no Belenenses dois anos e era para essas posições que a gente andava. No futebol, o passado não conta.

"Aconselhei-me com Couceiro e Carvalhal"

O Belenenses teve, na época transacta, dois treinadores. Talvez as pessoas com melhor perfil para traçarem a radiografia a Jorge Jesus

Chegou a falar com José Couceiro?
Falei com o José Couceiro e com o Carlos Carvalhal. Telefonei para ambos e pedi-lhes conselhos, porque eles conhecem o Belenenses melhor do que eu. Fiz esses contactos, no sentido de ficar mais esclarecido e consciente da realidade e do valor da equipa. Dialogámos sobre o Belenenses na sua globalidade. É importante aconselharmo-nos com pessoas que estiveram lá dentro.

As conversas foram agradáveis?
Claro, tenho uma amizade desportiva boa com os dois, e é assim que tem de ser quando há seriedade e respeito recíproco.

"Redução foi pensada por quem não percebe nada de futebol"

Um dos veteranos do futebol português tem uma visão muito crítica sobre a redução de clubes. Quem decide é criticado por Jorge Jesus, um técnico preocupado com o facto de algumas cidades históricas ficarem sem futebol de primeira.

Concorda com a redução da Liga de 18 para 16 clubes?
Não, com 16 a Liga não fica mais competitiva. A redução foi pensada e analisada por pessoas que não têm conhecimento nenhum do que é a qualidade do futebol em Portugal. Pensam que vai ficar mais forte e com mais qualidade. Estão enganadas. Estamos a falar de pessoas que se sentam nas secretárias mas que não percebem de futebol. Foi uma decisão errada, e tenho a certeza do que estou a dizer. O futebol é um desporto que pode unir e juntar povos, é uma modalidade do povo, ao tirarem duas equipas da I Liga estão a tirar futebol a algumas cidades de Portugal. Quando se reduz, está-se a pensar na vertente financeira e a defender as equipas grandes. Há países da Europa que não aceitam esta deliberação da FIFA. A FIFA quer é ter mais tempo para os seus campeonatos e com isso tira identidade aos campeonatos nacionais. Infelizmente, Portugal não bate o pé.

"Conto com todos os jogadores com contrato"

O Belenenses tenta a todo o custo reduzir encargos. Nessa linha, alguns futebolistas de renome têm sido sondados para renegociarem os seus contratos. Entre eles, existem três que já envergaram as quinas ao peito.

Rui Jorge, Romeu e Silas, três internacionais portugueses, arriscam-se a jogar na Liga de Honra. Conta com eles?
Conto com todos os jogadores que têm contrato com o Belenenses. Não posso mandar jogadores embora com contrato. Em termos desportivos, qualquer deles pode ajudar o clube.

O presidente Cabral Ferreira tem enveredado por uma política de optimização de custos, que passa por tentar reduzir os vencimentos dos jogadores. Como é que esse processo está a decorrer?
Isso tem passado pelo presidente, não tenho muito que ver com isso. Quero é organizar uma estrutura desportiva. O presidente está a negociar e, segundo me tem dito, há alguns jogadores que têm apresentado muita dignidade ao entenderem as dificuldades de tesouraria. É necessário ajustar as coisas à realidade e, em simultâneo, procurar o melhor para o jogador e para o clube.

quarta-feira, junho 14, 2006

Esclarecimento

L.Rodrigues

Surpreendentemente (se é que algo neste "Caso Mateus" ainda pode surpreender), vi hoje o meu nome referido pelo presidente do Gil Vicente no jornal Record, aludindo a um artigo por mim escrito no momento da "cambalhota".

Relembrando o que escrevi na altura, o Sr. Fiúza deturpou as minhas palavras, fazendo crer que o Dr. Cunha Leal tinha "festejado" (não percebi se terá sido comigo, mas não foi certamente) a despromoção do Gil em detrimento do Belenenses.

Por forma a esclarecer a situação, e até porque o Dr. Cunha Leal já se sentiu na obrigação de convocar uma conferência de imprensa para responder ao Sr. Fiúza (e eu não passo de um simples bloguista, tenho mais que fazer que convocar conferências de imprensa) pelas suas afirmações baseadas no meu artigo, passo a descrever o que se passou:

Na 4ª feira passada decorreu nas instalações da Ordem dos Economistas uma Conferência subordinada ao tema "Gestão Desportiva", à qual assisti e onde acabei por fazer uma pergunta ao Dr. Cunha Leal relativa à promoção do futebol. Esta questão foi a última da Conferência e, dada a escassez de tempo, foi respondida de forma célere, como se compreendeu. Finda a resposta, o moderador deu por encerrada a sessão, e dirigi-me ao Dr. Cunha Leal, tendo ficado a conversar com ele sobre a tal questão da promoção (ou falta dela) do futebol em Portugal.

Entretanto, alguém que passava aludiu à nossa permanência na 1ª Divisão e consequente alívio dos apaniguados azuis como motivo para ter havido intervenções de várias pessoas do Belenenses na assistência. O Dr. Cunha Leal, Director Executivo da Liga de Clubes, reafirmou tal comentário e falou do Belenenses como ficando na 1ª Divisão. Sendo o Dr. Cunha Leal Director Executivo da Liga e tendo saído na véspera nos jornais A Bola e O Jogo a confirmação da decisão do Conselho de Disciplina, somei 2 mais 2 e fiquei perfeitamente descansado quanto à decisão do CD.

O Dr. Cunha Leal, como é óbvio, não tem de desmentir rigorosamente nada, muito menos artigos do Blog do Belenenses. O que se passou foi, simplesmente, isto, e aqui deixo a minha solidariedade para com ele pelos ataques baixos (mas já habituais) do Sr. Fiúza a tudo e todos, inventando histórias mirabolantes a cada dia que passa.

Conheci o Dr. Cunha Leal naquele momento e dele retive a melhor imagem possível. Nunca tendo conhecido o Sr. Fiúza, não posso dizer o mesmo dele face às suas intervenções das últimas semanas.

Are u talkin' to me?

L.Rodrigues

E quando eu pensava que o Caso Mateus já tinha atingido todos os limites do surreal...
Record

In Record, 14/06/2006

Selecção do Dia: Arábia Saudita

Photobucket - Video and Image Hosting

Photobucket - Video and Image HostingArábia Saudita
Grupo H: Espanha, Ucrânia e Tunísia

Estamos perante uma das selecções mais fraquinhas de sempre, nas fases finais de mundiais. Em virtude do seu grupo de apuramento a Arábia Saudita, costuma integrar o lote de 32 selecções mas sempre com pouco sucesso.

Na fase de apuramento tiveram bons resultados, mas apenas defrontaram o adversário de peso (Coreia do Sul). Conquistaram o primeiro lugar do grupo, mas estão sempre confinados a jogar com selecções como Uzbequistão e Kuwait.

O Brasileiro Paquetá tem uma missão quase impossível. Já não lhe pedimos que passe a fase de grupos, mas que pelo menos pontue em qualquer dos três jogos que tem pela frente. Como técnico provou o sabor da vitória no Flamengo (seu clube de sempre) na década de 90, foram seguramente os tempos mais dourados do clube. Passou ainda pelas camadas de formação da selecção brasileira, onde também obteve resultados e títulos.

Com uma selecção com poucos recursos, o 4*2*3*1 é a táctica mais usual dos sauditas. Sempre com uma linha defensiva bastante bem definida, dois trincos mais um médio criativo e dois “vagabundos” nas alas com bastantes preocupações defensivas. A tarefa do ponta-de-lança, por vezes é bastante ingrata.

Na baliza actua o Al Deayea, jogador de enormes recursos, pois com as fífias da defesa não pode facilitar. Na próxima época vai ser treinado pelo nosso conhecido e grande mestre da arte da preparação técnico-táctica – José Peseiro.

Os outros dois jogadores mais conhecidos deste país são os avançados – Al Kahtani e Al Jaber. Têm uma diferença de 10 anos de idade, mas complementam-se bastante bem. São peças fundamentais, numa selecção bastante fraca.

Um ponto forte desta selecção é o facto de a maioria dos seus jogadores representarem dois clubes sauditas – Al Ittihad e o Al Hilal, o que poderá dar um certo nível de intrusamento, nesta fase em que a maioria das selecções não o tem.

Sem argumentos, penso que o último lugar do grupo H, é o que está destinado à Arábia Saudita. A Espanha e a Ucrânia são seguramente os candidatos mais fortes para a passagem aos oitavos.

Dados:
Selecção: Arábia Saudita
Fundação: 1959
Títulos mundiais: -
Equipamento: Camisola branca e calções brancos
Seleccionador: Paquetá
Figura dos mundiais: Al Jaber
Estrela: Al Kahtani

Selecção do Dia: Tunísia

Photobucket - Video and Image Hosting

Photobucket - Video and Image HostingTunísia
Grupo H: Espanha, Ucrânia e Arábia Saudita

A Tunísia chega à Alemanha como campeã africana (em 2005), é uma selecção bastante respeitada, mas nas fases finais de campeonatos do mundo nunca consegue causar grande impacto.

Os tunisinos tiveram um apuramento relativamente pacífico, apenas ensombrado pela sempre difícil selecção de Marrocos (obteve menos 1 ponto). Têm apenas 3 participações em campeonatos do mundo de futebol (1978, 1998 e 2002).

Que dizer de Roger Lemerre, foi jogador e técnico do Lens. Assumiu a selecção da França depois do único título mundial obtido pelos gauleses em 1998. Foi muito criticado por consequência dos maus resultados na Coreia/Japão em 2002, na altura não conseguiram passar os grupos. O frencês passou ainda por clubes como o Estrela Vermelha, Estrasburgo.

As “Águias de Cartago”, jogam bastante em função do adversário, e apenas tentam impor o seu jogo quando já estão em desvantagem, tanto no marcador como tacticamente. O seu estilo de jogo assenta num 4*1*3*2, com uma linha defensiva muito pouco móvel, um trinco puro e dois extremos bastante ofensivos.

Devido à falta de referências desta selecção iremos apenas falar sobre as pedras basilares da mesma.

Na defesa pontificam o central Yahia, com 1m86cm, é um jogador muito duro e sempre atento aos deslizes dos seus companheiros, é colega de Hélder Postiga no Saint-Etienne e a estrela mais conhecida desta formação – Trabelsi. Joga no Ajax e é muito possante fisicamente, actua como lateral mas também pode ser adaptado, tanto a central como a extremo (posições que já experimentou).

Já no meio campo a grande referência é Adel Chedli (Nuremberga), estreou-se pelos tunisinos em 1996 e desde então que tem sido fundamental nesta selecção do norte de África. É franzino, mas muito trabalhador, tem uma cultura táctica que qualquer treinador aprecia.

A frente de ataque está entregue a Santos (nome tipicamente tunisino), bastante tecnicista e faz bastantes golos de belo efeito. É uma mais valia para esta formação uma vez que não apresenta muitos virtuosos.

O Grupo H vai ser muito complicado para os norte africanos, uma vez que têm os tubarões Espanha e Ucrânia a disputarem os primeiros lugares do mesmo. A Arábia Saudita não terá seguramente um papel relevante neste grupo.

Dados:
Selecção: Tunísia
Fundação: 1956
Títulos mundiais: -
Equipamento: Camisola branca e calções brancos
Seleccionador: Roger Lemerre
Figura dos mundiais: -
Estrela: Santos / Trabelsi

terça-feira, junho 13, 2006

O acórdão da Liga que condenava o Gil Vicente

Blog

Artigo publicado no site Sportugal:

No processo disciplinar em que o Gil Vicente é declarado como arguido e que poderia levar à descida de divisão do clube minhoto no chamado "caso Mateus", a decisão da Comissão Disciplinar (CD) da Liga é inequívoca. O clube gilista é condenado com “pena de baixa de divisão pela prática da infracção disciplinar muito grave – o ter recorrido a tribunais comuns”.

Segundo o acórdão presente na reunião da CD do dia 5 de Junho, a inscrição do jogador Mateus Galiano da Costa foi aceite provisoriamente pela Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) e pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF), mas depois de analisada a situação as duas instituições decidiram voltar atrás. Assim, o clube minhoto poderia celebrar contrato de trabalho com o jogador, mas não poderia utilizar o mesmo nas competições profissionais em que participa.

O Gil Vicente, não contente com a decisão, acabou por recorrer aos tribunais comuns, o que vai contra os regulamentos da Liga (Artº 63 do Regulamento Disciplinar). No acórdão, ao qual o Sportugal teve acesso, pode ler-se que “a FPF, enquanto instituição de utilidade pública desportiva, exerce em exclusividade poderes de natureza pública no âmbito de todas as competições de futebol”. No caso da Liga Betandwin, esses poderes “são exercidos pela LPFP enquanto órgão autónomo da FPF para o futebol profissional, e sob a tutela desta”.

Esta acção do Gil Vicente é considerada como infracção muito grave, e a sua pena é a descida de divisão do clube. Apesar de o Juiz que assina o acórdão considerar que “a redacção do artigo não prima por rigor técnico-jurídico” e que “a técnica legislativa a ele subjacente é deficiente”, isso não anula o disposto no Regulamento Disciplinar.

O acórdão, anexo a este artigo, será objecto de investigação criminal. Até porque quando o relator muda de opinião tem de se nomear outro que votou de vencido. Relembre-se que na primeira reunião, onde foi apresentado este acórdão pelo juiz presidente, o desembargador António Gomes da Silva, a votação foi de três a favor, um pedido de escusa e nenhum voto contra. Juristas especializados em Direito Desportivo disseram ao Sportugal, que “este tipo de procedimento é inédito e estranhíssimo, para não dizer passível de responsabilidade criminal”. É que nem sequer havia votos de vencido, o que tornaria haver uma nova votação um acto impossível. No entanto, aconteceu…

O Belenenses, que seria a equipa a ocupar a vaga no principal escalão do futebol português, caso o Gil Vicente fosse despromovido, só poderá agora recorrer para o Conselho de Justiça da FPF.

Clique aqui para aceder ao acórdão

Eleições antecipadas?
Os pedidos de demissão apresentados pelos juízes Pedro Mourão e Frederico Cebola não reduzem apenas para dois o número de elementos da Comissão Disciplinar da Liga. Implicarão mais repercussões, já que deverá haver eleições gerais para a própria LPFP, presidida por Valentim Loureiro. No dia 5 completaram-se quatro anos de mandato e não poderá haver eleições só para este órgão.

Acórdão de 5 de Junho

Blog
Acórdão de 5 de Junho, disponibilizado pelo Site Sportugal:


Processo disciplinar nº 101-05/06

Acórdão

Acordam em conferência os membros da Comissão Disciplinar da Liga Portuguesa de Futebol Profissional.

I- Relatório
Arguido: Gil Vicente Futebol Clube.
Objecto:
O Gil Vicente F.C. recorreu para a um tribunal comum para inscrição do atleta Mateus Galiano da Costa.
Estatui o artigo 63º nº 1 do “Regulamento de Disciplina” da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), sob a epígrafe “O recurso aos tribunais comuns sem autorização da Liga e FPF”, que:
“1. Os Clubes que, salvo nos casos directa, expressa e legalmente previstos, submetam aos Tribunais a apreciação de questões contidas na regulamentação desportiva serão punidos com pena de baixa de divisão.
2. Não carece de autorização a interposição de acções judiciais destinadas a efectivar a responsabilidade por factos ilícitos culposamente praticados pela FPF, Liga, titulares dos seus órgãos ou funcionários.”


II- Fundamentação
A- Emergiram provados os seguintes factos relevantes e essenciais para a decisão da causa
1- No dia 4 de Janeiro de 2006 o Gil Vicente F.C. requereu, junto do Departamento de Registo de Contratos da Liga, o registo de um contrato de trabalho desportivo celebrado com o atleta Mateus Galiano da Costa, destinado a vigorar no período de 01.01.2006 até ao termo da época desportiva de 2009/2010.

2- Acompanhando o referido contrato, entre a documentação junta e entregue instruindo o respectivo processo, encontrava-se cópia de um requerimento apresentado pelo Gil Vicente F.C. junto da FPF, ao qual foram anexados quatro documentos, onde, em resumo se requeria que fosse decidido que a inscrição, no início da corrente época do jogador Mateus pelo F.C. da Lixa como atleta amador, fosse alterada e passasse a ser considerada como uma inscrição de atleta profissional, alegando, para tanto, a simulação na celebração de contratos entre o dito atleta e o aludido Clube.

3- Foi proferida decisão de não deferimento do pretendido registo pela LPFP conforme consta do Fax da LPFP com a referência nº 2730/33/05-06, datado de 11.01.2006.

4- Esse Fax foi, nessa data de 11.01.2006, remetido para o Gil Vicente F.C. e nele é expresso que “neste quadro vimos, para os devidos efeitos regulamentares, comunicar que se considera que o pedido de inscrição em causa não se mostra como possível de ser deferido, pelo menos com efeitos relativos à presente época desportiva, (…)”.

5- Também a FPF veio a indeferir a pretensão do Gil Vicente F.C. conforme o seu Fax com a referência 687/05-06/CJ/FPF, dirigido ao Presidente da Associação de Futebol de Braga datado de 12.01.2006.

6- No dia 19.01.2006 a LPFP foi notificada de um Despacho proferido pelo Mmo Juiz de Direito nos autos nº94/06.5BEBRG a correr termos no Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga, onde figuravam como requerentes o Gil Vicente F.C. e o atleta Mateus, no qual se decide pelo indeferimento do decretamento provisório da providência cautelar por estes aí requerida ao abrigo do disposto no artigo 131º nº 1 do CPTA, na petição apresentada onde se concluía pelo seguinte pedido “Nestes termos e no demais de direito devem as razões de facto e de direito, constantes do presente Requerimento de “Decretamento Provisório da Providência” serem julgadas procedentes por provadas, e consequentemente o tribunal decretar provisoriamente a providência requerida, no prazo de quarenta e oito horas e consequentemente notificar os requeridos da Pronúncia Judicial, imediatamente, nos termos gerais dos actos urgentes, a fim de os Requeridos a deverem cumprir, de forma a declarar revogação provisória dos doutos despachos proferidos pela Federação Portuguesa de Futebol e Liga Portuguesa de Futebol Profissional, e consequentemente, suspendendo os seus efeitos, dessa forma, condenar, provisoriamente, os requeridos a receber, nos seus serviços administrativos, o processo a apresentar pelo Gil Vicente F.C. relativo à inscrição e licenciamento, na época desportiva 2005/2006, dentro do 2º período de abertura de inscrições regulamentares, iniciado em 1 de Janeiro até ao dia 31 de Janeiro de 2006, referente ao praticante Mateus Galiano da Costa, com a inscrição federativa número 767433, a fim de poder integrar a equipa e participar no Campeonato Nacional de futebol, no primeiro jogo oficial, da jornada da semana, imediatamente a seguir, à prolação desta decisão judicial.”.

7- Esta decisão foi proferida no âmbito de uma acção intentada pelo Gil Vicente F.C. e Mateus Galiano da Costa contra a FPF e a LPFP, na qual foi ainda indicado como contra interessado o F.C. Lixa, no Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga e onde, os requerentes finalizam requerendo que o Tribunal decretasse “provisoriamente a providência requerida, no prazo de quarenta e oito horas e consequentemente notificasse os requeridos da pronúncia judicial, imediatamente, no termos gerais dos actos urgentes, a fim de os requeridos a deverem cumprir, de forma a declarar a revogação provisória dos doutos despachos proferidos pela FPF e LPFP e consequentemente suspendendo os seus efeitos, dessa forma, condenar, provisoriamente, os requeridos a receber, nos seus serviços administrativos, o processo a apresentar pelo Gil Vicente FC, relativo à inscrição e licenciamento, na época desportiva 2005/2006, dentro do 2º período de abertura de inscrições regulamentares, iniciado em 1 de Janeiro até ao dia 31 de Janeiro de 2006, referente ao atleta Mateus, com a inscrição federativa número 767433, afim de poder integrar a equipa e participar no campeonato Nacional de Futebol, no primeiro jogo oficial, da jornada da semana, imediatamente a seguir, à prolação desta decisão judicial…”.

8- Posteriormente na data de 27.01.2006, via Fax, no âmbito do processo nº 241/06.7BEPRT, pendente no Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto, onde figura como requerente o atleta Mateus, foi a LPFP notificada da Decisão da Mma Juiz do processo decretando provisoriamente as providências cautelares aí requeridas, ao abrigo do disposto no artigo 131º nº1 do CPTA, determinando-se aí “Notifique-se de imediato esta decisão às autoridades requeridas para cumprimento – suspensão da eficácia dos actos praticados pela LPFP e pela FPF e de intimação para a adopção de uma conduta – inscrição e registo do contrato de trabalho desportivo celebrado entre o Gil Vicente FC e o jogador de futebol, Mateus Galiano da Costa na LPFP; e conceda-se às partes, nos termos do nº 6 do artigo 131º do CPTA, o prazo de 5 dias para se pronunciarem sobre a possibilidade de levantamento, manutenção ou alteração da providência”.

9- No dia 30.01.2006 o Senhor Director Executivo da LPFP requereu, junto do Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto, para que viessem a ser esclarecidos os procedimentos que a LPFP deveria adoptar face à contradição de julgados existentes e à incerteza decorrente dessa contradição, por forma a habilitá-la ao cumprimento daquelas decisões judiciais, tendo também dado conhecimento desse requerimento no Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga.

10- Finalizou expondo “O que se mostra requerido é o feito a título urgentíssimo, dado que termina amanhã, dia 31.01.2006, o segundo período de registo de contratos da corrente época desportiva, em vista a habilitar, em tempo útil, o Director Executivo da Liga a dar cumprimento às decisões judiciais em causa, e é feito sem prejuízo das posições processuais a serem tomadas pela LPFP no âmbito dos referidos processos e no quadro das notificações que para tanto lhe foram feitas.”

11- Uma vez que não foi recebida qualquer resposta nesse dia 30 ou no 31 de Janeiro, decidiu o Senhor Director Executivo da LPFP, o que fez por Despacho datado de 31.01.2006, que, tendo em conta o termo do segundo período de registo de contratos e a falta de qualquer resposta atempada por parte do Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto ao requerimento referido supra, “Sem prejuízo de, através de mandatário judicial constituído, ter sido requerido o levantamento da providência decretada provisoriamente, e acima mencionada, em cumprimento da decisão judicial que foi notificada a esta Liga pelo Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto e em obediência ao despacho aí proferido no Processo nº241/06.7BEPRT e acima transcrito, determina-se que o departamento de Registo de Contratos da LPFP nesta data, 31 de Janeiro de 2006, proceda ao registo provisório do contrato apresentado a registo acima identificado, celebrado entre o Gil Vicente F.C. e o jogador Mateus Galiano da Costa, registo provisório este sujeito à condição resolutiva do eventual levantamento da providência decretada no supra mencionado processo”.

12- Mais concluiu “Remeta-se, assim, o processo relativo à inscrição e registo em causa à Federação Portuguesa de Futebol, de quem depende nos termos regulamentares a respectiva homologação acompanhado de cópia do presente despacho, anexando-se a este, os documentos nele mencionados e dados como reproduzidos.”

13- Com data de 03.02.2006 foi distribuído o Oficio Circular nº 3665/05-06 para todos os Clubes / SAD´s participantes e FPF, com a listagem dos contratos de trabalho desportivos recepcionados para registo na LPFP no período compreendido entre 26 a 31 de Janeiro (inclusive). Essa listagem incluía informação complementar actualizada da enviada em anexo ao Ofício Circular nº 2956/05-06, de 06.01.2006, no que concerne ao pedido de inscrição do jogador Mateus Galiano da Costa pelo Gil Vicente F.C. Na listagem, no espaço dedicado ao jogador Mateus, foi realizada uma chamada em asterisco com os seguintes dizeres “Inscrição e registo de contrato deferido, em 31.01.2006, a título provisório, em obediência a despacho proferido no processo nº241/06.7BEPRT do Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto, sujeito à condição resolutiva de eventual levantamento da providência decretada – ver Despacho do Senhor Director Executivo de 31.01.2006, composto de quatro páginas que segue em Anexo”.

14- No dia 05 de Fevereiro de 2006, pelas 16 horas, realizou-se o jogo nº 01188, no Estádio Cidade de Barcelos, entre o Gil Vicente F.C. e o Vitória F.C. SAD.

15- Nesse jogo participou, durante 85 minutos, o jogador Mateus Galiano da Costa que em virtude de não ter licença foi identificado pelo passaporte nº N0435416.

16- O jogo terminou com um resultado de cinco (5) golos para o Gil Vicente FC e zero (0) para o Vitória F.C. SAD, tendo um dos golos, apontados pelo Clube visitado, sido da autoria de Mateus Galiano da Costa aos 85 minutos.

17- A FPF notificou a LPFP pelas 17.12horas do dia 10.02.2006 do teor do Fax/6456/05-06/DRC/FPF com os seguintes dizeres “Acusando a recepção do Vosso ofício com a referência 3615/751/05-06 datado de 01.02.2006, informamos Vossa Excelência, que foi registado o contrato de trabalho subscrito entre o jogador em epígrafe e o Gil Vicente F.C. Favor informar o Vosso filiado”.

18- No dia 12.02.2006, pelas 16 horas, realizou-se, no Estádio da Mata Real, em Paços de Ferreira, o jogo entre o Paços de Ferreira e o Gil Vicente F.C.

19- Nesse jogo participou, durante todo o tempo de jogo, o jogador Mateus, tendo o jogo terminado com o resultado de um (1) golo para o Paços de Ferreira e zero (0) para o Gil Vicente F.C.

20- No dia 19.02.2006, pelas 16 horas, realizou-se o jogo nº 01207, no Estádio Cidade de Barcelos, entre o Gil Vicente F.C. e a Associação Académica de Coimbra OAF.

21- Nesse jogo participou, durante 93 minutos, o jogador Mateus Galiano da Costa.

22- O jogo terminou com um resultado de cinco (5) golos para o Gil Vicente F.C. e três (3) para a AA Coimbra OAF, tendo um dos golos, apontados pelo Clube visitado, sido da autoria de Mateus Galiano da Costa aos 23 minutos.

23- No dia 24.02.2006, realizou-se, pelas 21.30 horas, no Estádio Cidade de Barcelos, o jogo entre o Gil Vicente F.C. e a Boavista F.C. SAD.

24- Nesse jogo participou, durante todo o tempo de jogo, o jogador Mateus, tendo o jogo terminado com o resultado zero (0) para o Gil Vicente F.C. e um (1) golo para a Boavista F.C. SAD.

25- No dia 03.03.2006, na pessoa do seu ilustre mandatário, foi a LPFP notificada de um Despacho datado de 28.02.2006, proferido pela Mma Juiz do Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto, de rejeição liminar das providências cautelares requeridas e pelo levantamento das providências provisoriamente decretadas nos referidos autos em 27.01.2006.

26- Nesse mesmo dia 03.03.2006, foi proferido Despacho pelo Senhor Director Executivo da LPFP com os seguintes dizeres “(…) Em face de tal, por verificação da respectiva resolução resolutiva, determina-se o cancelamento do registo provisório nesta Liga do mencionado contrato de trabalho desportivo, com as consequências regulamentares daí decorrentes no que respeita à possibilidade de utilização do referido jogador a partir da presente data, no âmbito das competições profissionais organizadas sob a égide da LPFP, cancelamento este que deverá ter-se como convertido em definitivo logo que transite em julgado o despacho judicial de 28.02.2006 acima referido, que determinou o levantamento da mencionada providência decretada provisoriamente, por força da qual aquele registo foi efectuado, devendo o departamento de registo de contratos da Liga proceder aos correspondentes averbamentos em conformidade com o que resulta deste despacho (…) Remeta-se cópia do presente despacho à FPF, para os fins tidos por convenientes e atentas as competências que se lhe mostram cometidas, nomeadamente as que resultam do Regulamento de Competições da LPFP (…)”.

27- Com data de 03.03.2006, pelas 16.54 horas, o Gil Vicente F.C. foi notificado de cópia integral do Despacho referido na alínea antecedente através do Fax nº 3728/33/05-06.

28- Com data de 03.03.2006, pelas 17.28 horas, a FPF foi notificada de cópia integral do Despacho referido na alínea antecedente através do Fax nº 3729/751/05-06.

29- Com data de 03.03.2006 a FPF remeteu à LPFP Fax assinado pelo seu Vice-Presidente com os seguintes dizeres “… Na sequência da decisão proferida pelo Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto, cuja notificação chegou hoje a esta Federação, que veio levantar a providência cautelar decretada em 27.01.2006, a qual ordenou o registo do contrato de trabalho subscrito entre o jogador Mateus Galiano da Costa e o Gil Vicente F.C., informamos V. Ex.ª que a FPF vai proceder ao cancelamento do aludido registo…”.

30- Com data de 03.03.2006 o Gil Vicente F.C., enviou Fax com a referência 407/05-06/DPF, com recepção do original a 06.03.2006, terminando requerendo a “Revogação do Despacho da Liga de 03 de Março de 2006, sendo substituído por outro que mantenha o registo provisório do contrato e inscrição do jogador Mateus Galiano até que seja proferida decisão final no processo judicial…”.

31- A 03 de Março de 2003 o Vitória F.C. SAD efectuou participação disciplinar contra o Gil Vicente F.C. pela prática de infracção disciplinar resultante da participação de jogador irregularmente inscrito, tendo em virtude deles dado origem ao processo nº12/05-06.

32- A 08.03.2006 o Senhor Director Executivo da LPFP respondeu ao Requerimento do Fax com a referência 407/05-06/DPF do Gil Vicente F.C., concluindo pela improcedência da requerida revogação do Despacho de 03.03.2006.

33- A 10.03.2006 o Gil Vicente F.C. deu entrada na LPFP, e dirigido ao Senhor Director Executivo da LPFP, de um “Recurso interposto do Despacho do Director Executivo da LPFP de 3 de Março de 2006 com efeito suspensivo” concluindo “Pelo exposto, requer-se a V. Ex.ª se digne esclarecer se adere ao supra alegado e se o Gil Vicente pode em consonância utilizar o jogador Mateus Galiano nos próximos jogos da Super Liga…”

34- No dia 10.03.2006 o Gil Vicente enviou um Fax, dirigido LPFP, com a referência nº 424/05-06/DPF, com os seguintes dizeres “… Atendendo à data do jogo, agradecíamos uma resposta ao nosso fax enviado ontem, às 18h57m, em tempo útil para a utilização do atleta…”

35- No dia 10.03.2006, a LPFP, em Fax com a referência 3848/33/05-06, através do seu Director Executivo respondeu resumindo “… Não compete ao Director Executivo da LPFP admitir e fixar os efeitos dos recursos interpostos para o Conselho de Justiça da FPF… De igual modo, tal como V. Ex.ªs certamente não desconhecem, a apreciação e decisão sobre as consequências de utilização de um jogador em competição é da competência exclusiva dos órgãos jurisdicionais…”.

36- A 17 de Março de 2006 a Académica OAF efectuou participação contra o Gil Vicente F.C. pelos fundamentos nela constantes, tendo em virtude deles dado origem ao processo de inquérito nº 13/05-06.

37- A 22.03.2006 foi proferido Despacho Liminar pelo Conselho de Justiça da FPF, indeferindo o Recurso apresentado pelo Gil Vicente F.C., supra referido em 33 porque apresentado intempestivamente.

38- A 09.05.2006 “Os Belenenses” SAD efectuou participação disciplinar contra o Gil Vicente F.C. pelos fundamentos nela constantes, tendo em virtude deles dado origem ao presente processo Disciplinar com o nº 101/05-06.

39- Com data de 16.05.2006 o processo de inquérito referido em 36 foi convertido em processo disciplinar e apensado ao processo nº 101/05-06.

O Gil Vicente F.C., em 25.05.2006, apresentou defesa instruída com documentos e um parecer.
Dessa contestação foi dado como provado que:
40- Na acção intentada pelo jogador foi alegado que o jogador é de nacionalidade estrangeira (artigo 92º da contestação);

41- O jogador inscreveu-se pelo F.C. Felgueiras para a época desportiva de 2005/2006 (artigo 93º da Contestação), mas como o F.C. Felgueiras não conseguiu participar no campeonato o jogador acabou por ser inscrito no Lixa com o estatuto de amador (artigo 94º da Contestação).

42- O jogador e o Lixa celebraram contrato de trabalho através do qual o jogador Mateus Galiano da Costa se obriga a desempenhar as funções de contínuo (artigo 95º da Contestação).

43- O Gil Vicente alegou na acção
a) que tal contrato é um verdadeiro contrato desportivo, pois as regras escritas e estipuladas são em tudo idênticas ao regime jurídico do praticante desportivo, nomeadamente o horário e a retribuição de trabalho (artigo 96º da Contestação);

b) que esse contrato era simulado e nulo (artigo 97º da Contestação), tudo isto porque a inscrição e registo do contrato de trabalho desportivo celebrado entre o Gil Vicente e o jogador Mateus Galiano eram essenciais para a validade de tal contrato, pois só assim o jogador conseguia obter o visto de residência em Portugal (artigo 98º da Contestação);

c) daí que o pedido substancial da acção se prendeu com a articulação entre inscrição e o direito ao trabalho do jogador Mateus Galiano, pois a inscrição colocaria o interessado na posição de exercer uma profissão (artigo 99º da Contestação);

d) E desta maneira evitaria um dos prejuízos para o jogador consubstanciado na extinção do vínculo laboral, ficando no desemprego, com a agravante de ser estrangeiro e poder ser repatriado para Angola, por virtude do visto de residência ou de permanência em Portugal não poder ser revalidado (artigo 100º da Contestação);

c) Por consequência pediam também a inscrição de jogador profissional em competição (artigo 101º da Contestação);

44- O Gil Vicente operou a desistência da instância no processo do TAF de Braga (artigos 127º e 48º da Contestação).


B- Não lograram ser provados os restantes factos alegados na contestação.



C- Motivação de facto
A convicção sobre os factos julgados provados fundamentou-se:
1- em prova documental:
a) os relatórios de jogo,
b) do quarto árbitro, e
c) a Relação dos técnicos e jogadores efectivos e suplentes,
d) consulta dos jogos efectuados na LPFP,
e) Sentenças e peças processuais dos tribunais que seguem juntas aos autos,
f) Despachos e correspondência trocada com a Liga Portuguesa de Futebol Profissional e Federação Portuguesa de Futebol (FPF).
2- Com a livre apreciação, nos depoimentos:
a) do arguido, e
b) das testemunhas por si arroladas.


D- Motivação de direito (subsunção normativo – disciplinar)
O Gil Vicente F.C., ao ver ser-lhe negada a possibilidade de inscrever na Liga Profissional, um jogador contratado para prestar os seus serviços enquanto jogador profissional de futebol, entendeu submeter aos tribunais comuns (Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga) um pedido, sob forma cautelar, para inscrição desse jogador.
O jogador Mateus Galiano da Costa, e já não formalmente o Clube ora arguido, intentou uma outra acção idêntica noutro tribunal - Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto. Tal situação não reveste de particular interesse para os presentes autos, uma vez que o formalmente responsável pelo uso dos tribunais comuns, não é aqui arguido.
Concluir-se-á que a única acção com relevância para este processo é a acção intentada no Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga. A outra, do Porto, não teve formalmente o Clube arguido como autor, mas apenas o jogador.

Para enquadramento da questão de fundo do processo disciplinar, importa atentar aos antecedentes que levaram o arguido à conduta tipificada como infracção.
O indeferimento da pretensão do Clube por parte da Liga prendeu-se com uma questão técnica. O jogador, que o Clube queria ver inscrito na competição profissional, havia sido amador na época anterior. E havia sido amador na época anterior, segundo o alegado pelo jogador e pelo Gil Vicente na sua acção, por ter sido assim inscrito pelo F.C. Lixa.
É competência da LPFP o registo desportivo de contratos de trabalho desportivos celebrados entre jogadores de futebol e Clubes visando a participação dos mesmos nas competições organizadas pela mesma Liga, pese embora a homologação definitiva ser competência da FPF.
Estatui o "Regulamento de Competições" da LPFP, e ao que aos presentes autos interessa, que:
Artigo 31º
“1. …
2. A participação dos jogadores nas competições oficiais organizadas pela Liga depende de prévia inscrição e registo do contrato de trabalho desportivo na Liga P.F.P. e F.P.F., através da Liga, os quais só serão concedidos desde que cumulativamente:
a) Estejam preenchidos todos os requisitos formais e regulamentares de inscrição;
b) Seja legítimo o vínculo de representação do Clube invocado no acto de inscrição, nomeadamente ao abrigo da legislação laboral, instrumentos de regulação colectiva de trabalho em vigor, regulamentação desportiva aplicável e, ainda, os acordos directamente celebrados entre a Liga P.F.P. e o Sindicato Nacional dos Jogadores Profissionais de Futebol, que definam regras que regulem ou condicionem a inscrição de jogadores profissionais."
Artigo 32º
"1. Os processos de inscrição e transferência de jogadores dos Clubes participantes nas competições de carácter profissional, bem como o registo de contratos de trabalho respectivos, eventuais alterações, modificações, revogações e rescisões, deverão ser efectuados pela Liga, de acordo com as normas abaixo estabelecidas, e sujeitos à homologação e licenciamento definitivo da F.P.F.
2. A inscrição deve ser instruída com os seguintes documentos:

5. Depois de comprovar que o processo de inscrição não padece de vícios formais ou substanciais, a Liga deferirá provisoriamente a inscrição, remetendo o original do contrato para a F.P.F., para efeitos de homologação definitiva.
6. A falta de homologação pela F.P.F. de processos de inscrição deferidos provisoriamente pela Liga determina, após notificação ao Clube, a suspensão automática da participação do jogador em competições oficiais, sendo o processo devolvido ao Clube para que este o reenvie à Liga, devidamente regularizado, no prazo máximo de vinte dias, sob pena de anulação definitiva. Cessa esta suspensão após despacho do Director Executivo da Comissão Executiva da Liga.

8. A participação de jogadores em competições oficiais depende de comunicação da Liga do deferimento da inscrição.

12. A Liga divulgará, semanalmente, através de Comunicado Oficial, uma listagem dos pedidos de inscrição e registo de contratos que lhe tenham sido apresentados.".
Temos assim que, depois de comprovar que o processo de inscrição não padece de vícios formais ou substanciais, a Liga deferirá provisoriamente a inscrição, remetendo o original do contrato para a FPF, para efeitos de homologação definitiva (nº 5 supra). Para os efeitos regulamentares é, em última análise, à FPF que compete decidir e verificar da regularidade e conformidade regulamentar dos pedidos de registo de contratos efectuados junto da LPFP.
A Federação, a Liga antes, não concedeu o registo do contrato celebrado com Mateus Galiano da Costa ao Gil Vicente F.C.
Para tal recusa atendeu-se ao disposto no artigo 2º nº 3 do "Regulamento para Inscrições e Transferências dos Praticantes Amadores", que expressamente consagra:
“O jogador que tenha mudado da Classe de profissional para Amador, terá de permanecer pelo menos uma época como amador, não contando para este efeito a época em que se verifique a mudança, salvo se a mesma se processar no início da época e antes do início de qualquer prova em que o jogador participar”.
Por outro lado “O jogador que tenha passado a amador só poderá transferir-se para um Clube estrangeiro depois de decorrida uma época após a sua mudança de classe, não contando para este efeito a época em que se verificou a mudança, salvo se a mesma se processar no início dessa época, antes do início de qualquer prova em que o jogador possa participar.”.
Descontente com essa recusa de inscrição o Gil Vicente intentou uma acção judicial, sob a forma de Providência Cautelar, contra a Liga Portuguesa de Futebol Profissional, Federação Portuguesa de Futebol e Lixa F.C. (antigo clube do atleta Mateus Galiano) para obter aquele efeito que lhe fora negado pelas instâncias desportivas.

Antes da análise da questão nuclear que deu origem ao presente processo disciplinar, convirá fazer uma breve nota a questões suscitadas na defesa do arguido.
1ª- Referiu o arguido que a acção intentada no Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga foi contra a sua vontade.
O que emerge dos autos, e isso alcança-se pela prova documental, é uma procuração que constitui advogado como seu bastante procurador a quem confere “… os mais amplos poderes forenses em direito permitidos e ainda os especiais para outorgar o Requerimento dirigido à Federação Portuguesa de Futebol relativo à transferência do atleta Mateus Galiano da Costa (…)”.
O causídico constituído não prestou declarações nos autos. A procuração encontra-se assinada por três dirigentes do arguido, sendo mesmo perceptível a assinatura do seu Presidente.
Não obstante ter havido declarações no sentido oferecido pelo arguido, nomeadamente do seu Director Desportivo da altura, bem como do seu Secretário Técnico, o certo é que também não houve revogação, e ela poderia ser realizada, da procuração nos autos que correram termos no TAF de Braga. E seria possível apresentar prova, uma vez documental, dessa revogação.
Resulta, do próprio arguido em contestação, a confissão de que deu instruções para a competente desistência da instância. O que aconteceu após conhecimento da decisão do Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga.
Ora, o próprio acto de desistir é um poder forense especial que o mandante outorga em favor do seu mandatário pelo que, quem dá instruções para desistir de uma acção, age como se de um mandante judicial se tratasse.
O mandatário, e só não o fez por isso, não detinha era poderes especiais para desistir ou transigir a acção em nome e representação da constituinte, motivo pelo qual, tal como resulta da conclusão datada de 08.03.2006, o Meritíssimo Juiz dá conta dessa falta de poderes, do mandatário, para efectuar a desistência.
Uma vez que não estavam em causa direitos indisponíveis o Meritíssimo Juiz considerou a nulidade decorrente da falta de poderes do mandatário suprível nos termos 301º nº 3 do Código de Processo Civil.

2ª- Refere também, o arguido, a existência de uma eventual prescrição do procedimento disciplinar.
Em 19 de Janeiro de 2006 teria havido a prática de um facto qualificado como infracção disciplinar muito grave.
Pratica a infracção muito grave, neste caso aquela que vem prevista no artigo 63º do RD da LPFP, o clube que submeter aos tribunais a apreciação de questões contidas na regulamentação desportiva.
Da qualificação da infracção como muito grave não se duvida.
Segundo afirma o arguido, não existe previsão expressa do processo a aplicar na disciplina desportiva ou associativa, pelo menos não na interpretação que lhe dá.
Nada consta na lei sobre a obrigatoriedade da distinção, para efeitos de prescrição do procedimento disciplinar, entre prática de facto e conhecimento dessa prática, mas tal não significa obrigatoriamente que haja qualquer lacuna. O que existe é uma vontade expressa de considerar a prática do facto como o elemento determinante, único, para contagem do respectivo prazo de prescrição.
Assim o artigo 16º nº 1 do RD da LPFP, sob epígrafe “Prescrição do procedimento disciplinar” estipula que:
“O direito de exigir responsabilidade disciplinar prescreve ao fim de três anos, um ano ou um mês, consoante as faltas sejam, respectivamente, muito graves, graves ou leves, sobre a data em que a falta tenha sido cometida, salvo o disposto nos números seguintes.”.
Temos assim que a denúncia poderia ser efectuada no prazo de três anos a contar da prática do facto, findo o qual se haveria de considerar prescrito o procedimento disciplinar.

3ª- Esta última questão acaba por, de alguma forma, responder e consumir a questão avançada pelo arguido na sua defesa, sobre uma pretensa presunção legal da inexistência de qualquer infracção disciplinar.
Ora o arguido tem, o que lhe advém da sua própria condição de arguido, a presunção legal da sua inocência.
Não poderia existir uma presunção de inexistência de qualquer infracção disciplinar, porquanto não haver um único titular do interesse em agir.
Tanto poderia a questão ser suscitada pela Liga, oficiosamente, como por qualquer interessado. Adianta-se que o clube "Os Belenenses" é parte interessada, e como tal legítima, do processo.
A questão não foi ainda objecto de julgamento ou apreciação noutro processo. Se assim fosse, também aqui não haveria qualquer presunção de inexistência de infracção disciplinar, estaríamos perante o "bis in idem", proibido pelo nosso ordenamento jurídico.
Não é o caso dos autos, uma vez que no processo referido não foi, o arguido, julgado pela prática da infracção constante dos presentes autos, mas antes de uma pretensa infracção às regras disciplinares contidas no artigo 60º do RD da LPFP.
De todo modo, tal como fica expresso em relação à prescrição, estaria sempre em tempo, o interessado, em efectuar a denúncia da infracção, mesmo que outros tivessem optado, consciente ou inconscientemente, por não efectuar essa participação.

4ª- Também não pode colher a argumentação utilizada em relação a uma nulidade da promoção e conversão oficiosa do processo de inquérito nº 13/05-06, por participação da Académica OAF contra o Gil Vicente F.C., em processo disciplinar apensado ao processo nº 101/05-06.
A participação da Académica, ao contrário do alegado pelo arguido, não se esgotava, tal como a do Vitória S.C., na eventual utilização de jogador irregularmente inscrito. E também não se afigura razoável dizer que versava unicamente sobre uma acção intentada no Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto. Como se reparará pela epígrafe desse processo, que se passa a transcrever, o assunto é bastante claro.
“Assunto: Eventual utilização irregular do Jogador Mateus Galiano da Costa pelo Gil Vicente FC no jogo nº 01.207 “Gil Vicente FC // A.A. Coimbra OAF, realizado em 19 de Fevereiro de 2006, bem como das condutas conducentes ao registo provisório, obtido através do recurso à via judicial, do contrato de trabalho desportivo celebrado entre o mesmo jogador e o Gil Vicente FC, na sequência de participação apresentada pela AA Coimbra OAF.
Duas questões distintas, com a respectiva repercussão distinta no ordenamento jurídico, se colocam em relação à denúncia efectuada e objecto do presente processo. A utilização, supostamente, irregular do jogador no jogo nº 01.207, a cobro do registo provisório obtido através do recurso à via judicial e o próprio recurso à via judicial para obtenção desse efeito do registo”. (sic Processo nº 13/05-06).

5ª- Mais refere o arguido que, concluída a instrução (do processo de Inquérito nº 13/05-06) e havendo motivos para sanção disciplinar, o instrutor deve apenas deduzir acusação e, caso contrário, deve o instrutor propor o arquivamento. Fora destas situações mais nenhuma prorrogativa se atribui ao instrutor, dentro do respectivo processo disciplinar (artigos 40º e 41º da Contestação).
Assim conclui o arguido, que no processo movido pela AAC – OAF, o instrutor, após decidir bem da inexistência de factos para infracção disciplinar, promoveu, mal por regularmente inadmissível, a “promoção oficiosa”, e assim violou os artigos 178º nº 4 e 180º do RD, o que seria causa de nulidade (artigos 42º a 45º da Contestação).
Ora, não obstante utilizarem uma cadência e terminologia própria, os processos da justiça desportiva que utilizam a expressão "Inquérito" não são passíveis, ao contrário do que é alegado na defesa, de apenas uma de duas decisões: acusação ou arquivamento.
Pelo contrário, no final do "Inquérito" o instrutor só poderá propôr o arquivamento ou a instauração de procedimento disciplinar. Nunca poderia converter um processo de inquérito em acusação - art. 197º RD da LPFP.
Se se apurar da existência de infracção disciplinar, a Comissão Disciplinar pode deliberar que o processo de inquérito, em que o arguido tenha sido ouvido, fique a constituir a parte instrutória do processo disciplinar.
Ora, no caso dos autos houve, de facto, a audição do arguido, daí poderá advir confusão sobre o tipo de processo.
De todo o modo sempre se dirá, também, que uma vez convertido em processo disciplinar, e face à presença de outro processo disciplinar, agora sim pela prática da mesma infracção, mais circunstanciada ainda, não se vê como poderia ser defensável outra solução, que não a da apensação de processos até no melhor interesse da arguida, que terá que responder apenas por um único processo.
A 17 de Março de 2006 a AA Coimbra OAF efectuou participação contra o Gil Vicente F.C. pelos factos referidos nesse processo, considerados como provados, tendo em virtude deles dado origem ao processo de Inquérito nº 13/05-06.
Os processos nºs 101/05-06 e 13/05-06 consideram-se similares em relação ao agente, aos factos, às infracções, apenas divergindo na qualificação oferecida pelos denunciantes. Irregularidade para efeitos do artigo 60º RD da LPFP e recurso indevido aos tribunais nos termos do artigo 63º RD da LPFP para uns, exclusivamente recurso indevido aos tribunais nos termos do artigo 63º RD da LPFP para outros.
Existe conexão de processos quando, nomeadamente, "o mesmo agente tiver cometido várias infracções regulamentares através da mesma acção ou omissão", assim como quando "o mesmo agente tiver cometido várias infracções disciplinares, na mesma ocasião ou lugar, sendo uns causa ou efeito dos outros ou destinando-se uns a continuar ou a ocultar os outros" - artigo nº 24 nº 1 a) e b) do Código de Processo Penal, ex vi do artigo 7º do RD da LPFP.
A Comissão Disciplinar poderá, oficiosamente ou a requerimento do interessado, deliberar a apensação de processos quando se verifiquem circunstâncias de identidade ou conexão, de carácter subjectivo ou objectivo, que aconselhem a tramitação e deliberação únicas.
Face aos interesses em causa, tendo em conta a complexidade e responsabilidade inerente ao processo e, fundamentalmente, a extensa instrução produzida no âmbito do processo nº 13/05-06, esse processo estaria em condições de ser apensado ao processo nº 101/05-06 por este o ter precedido cronologicamente.
O processo de inquérito foi instruído. Dessa instrução resultou haver motivos para arquivar o tipo de infracção prevista no artigo 60º RD da LPFP e instaurar processo disciplinar em relação à eventual prática da infracção prevista no artigo 63º RD da LPFP.
Tendo já visto que processo disciplinar e processo de inquérito são dois tipos de processo distintos, o Processo Disciplinar nº 101/05-06 foi instaurado por denúncia de “Os Belenenses, SAD” efectuada com a data de 9 de Maio de 2006. Foi apensado a estes autos, pelos motivos expostos, o processo nº 13/05-06.
Com data de 18 de Maio de 2006 o arguido foi notificado para apresentar, querendo, contestação, e indicar testemunhas.
O arguido apresentou essa contestação a 25 de Maio de 2006, último dia do prazo, arrolando seis testemunhas.
As inquirições foram marcadas para 29 de Maio. Houve necessidade de prosseguir no dia 30, isto é, no segundo e terceiro dias úteis seguintes à recepção da contestação.
Como se depreenderá da análise das datas, só por desconhecimento do processo ou má fé, se poderá afirmar que houve delongas injustificadas no processo.
Note-se que o processo nº 13/05-06 corre termos, enquanto processo disciplinar, exactamente nas datas do nº 101/05-06 devido à apensação operada, pelo que não é verdadeiro que tivesse corrido termos um processo disciplinar por denúncia efectuada pela Académica Coimbra OAF, tal como não é verdadeiro que no final de um processo de inquérito possa ser tomada uma decisão de acusação.
A Comissão Disciplinar, de resto, poderá “oficiosamente ou a requerimento do interessado, deliberar a apensação de processos quando se verifiquem circunstâncias de identidade ou conexão, de carácter subjectivo ou objectivo, que aconselhem a tramitação e deliberação únicas” - artigo 177º nº 1 RD da LPFP.

6ª- O arguido fala também numa hipotética falta de interesse de “Os Belenenses, SAD”.
Ora o procedimento disciplinar ou o processo de inquérito iniciam-se por impulso da Comissão Disciplinar ou sob requerimento de qualquer interessado - art.170º nº 1 RD da LPFP.
A decisão ou deliberação de instauração de procedimento disciplinar, ou processo de inquérito, poderá ter lugar com base em denúncia fundamentada.
A acrescer ao imediato interesse de "Os Belenenses" em consequência da sanção a aplicar ao prevaricador, que tomaria o seu lugar, não podem subsistir dúvidas de que uma infracção "Muito Grave", tal como um crime público em processo penal, deverá admitir sempre a denúncia de qualquer dos participantes da Liga, como forma de proteger os mais elevados princípios que essas normas tutelam, como seja o combate à fraude no desporto, ao doping, à corrupção e à própria organização desportiva.
*
Chegados aqui retomemos a análise da questão reputada de nuclear nos presentes autos, a qual se centra em torno do recurso aos tribunais comuns por parte dos Clubes integrados na LPFP.
O arguido faz a sua interpretação do artigo 63º do Regulamento Disciplinar e que merece ser vista, sem preocupação de particular análise crítica do "Parecer" que o arguido solicitou e juntou aos autos.
A instituição de uma Justiça Desportiva decorre do próprio ordenamento jurídico geral que estabelece os fundamentos da sua competência e do seu funcionamento, sempre tendo como objectivo a preservação do direito de cada um à prática desportiva, como decorre do próprio direito constitucional de acesso a essa prática, observado o respeito à disciplina e à organização no desporto formal.
O direito de punir é próprio do Estado, que através dos órgãos competentes e obedecidas as prescrições legais específicas, reprime as atitudes antijurídicas.
O Direito Desportivo, o que decorre da organização legal positivada nas nossas normas, concedeu aos órgãos da Justiça Desportiva o poder de aplicar as sanções correspondentes às violações à disciplina e à organização do desporto.
No seio das Federações unidesportivas dotadas de utilidade pública desportiva em que se disputem competições desportivas reconhecidas como tendo natureza profissional, deve constituir-se, é a expressão utilizada pelo nosso legislador, uma Liga profissional, dotada de personalidade jurídica e autonomia administrativa, técnica e financeira - artigo 24º nº 1 da Lei nº 30/2004, de 21 de Julho, Lei de Bases do Sistema Desportivo (LBD).
A Liga profissional ou entidade análoga é o órgão autónomo da federação para o desporto profissional, competindo-lhe nomeadamente entre várias outras atribuições, organizar as competições exercendo, relativamente aos seus associados, as funções de tutela, controlo e supervisão que forem estabelecidos na Lei, estatutos ou regulamentos, sendo competência das próprias Ligas profissionais a elaboração dos respectivos regulamentos de arbitragem e disciplina, que submetem a ratificação pela assembleia-geral da federação no seio da qual se insiram.
O legislador pretendeu dotar o desporto, a sua tutela e seus órgãos jurisdicionais de uma autonomia própria.
E de facto pode-se, hoje, afirmar ser a actividade desportiva possuidora das suas próprias regras e regulamentação, por vezes exaustiva, além de, na sua estrutura interna, ter o garante de uma jurisdição própria (por originária do movimento associativo desportivo, distinta da estatal) a nível de cada uma das federações desportivas.
A nível internacional defende-se a excelência de um direito internacional do desporto e correlativa jurisdição (das federações internacionais, do Tribunal arbitral do desporto criado em 1984, etc.) como processo de evitar e resolver as questões jurídicas desportivas obviando o recurso, prejudicial e desapropriado, aos tribunais comuns.
Em Portugal, como na maior parte dos ordenamentos actuais europeus, de acordo com o desiderato da Confederação Portuguesa dos Desportos, foi mesmo imposto um último grau de resoluções das controvérsias jurídicas no desporto, evitando o recurso à via judicial.
Temos assim que o foro desportivo reclama, melhor seria dizer que o legislador o dota de autonomia relativa aos assuntos de índole desportiva.
As questões que não forem essencialmente desportivas, estão arredadas do âmbito do artigo 63º do RD da LPFP.
São questões estritamente desportivas, do ponto de vista legal e no âmbito do postulado pelo nº 2 do artigo 47º da LBD “aquelas que tenham por fundamento normas de natureza técnica ou de carácter disciplinar, nomeadamente as infracções disciplinares cometidas no decurso da competição, enquanto questões de facto e de direito emergentes da aplicação das leis do jogo, dos regulamentos e das regras de organização das respectivas provas”.
Nesta estatuição apenas estão excepcionadas as decisões e deliberações disciplinares relativas a infracções à ética desportiva, no âmbito da dopagem, da violência e da corrupção - nº 3 do artigo 47º LBD.
O legislador quis que as deliberações disciplinares, ainda que tenham por objecto infracções cometidas no decurso da competição e por fundamento leis do jogo, regulamentos ou regras de organização das provas – previsão do citado n.º 2 – estão, excepcionalmente, sujeitas a recurso fora das instâncias competentes na ordem desportiva, desde que digam respeito a infracções à ética desportiva, no âmbito da dopagem, da violência e da corrupção.
Só, portanto, as infracções disciplinares cometidas no decurso da competição, envolvendo questões de facto e de direito emergentes da aplicação das leis do jogo, dos regulamentos e das regras de organização das respectivas provas, – desde que não integradas na previsão do n.º 3 -, estão sujeitas ao controlo privativo das instâncias competentes na ordem desportiva.
Impõe-se apurar, para se chegar a tal conclusão, que se trata de uma infracção disciplinar cometida no decurso de uma competição e traduzindo o desrespeito pelas leis do jogo, dos regulamentos e das regras de organização as respectivas provas.
Em Portugal existe uma Liga Profissional no seio da respectiva federação desportiva.
A atribuição do estatuto de utilidade pública desportiva confere às federações desportivas a competência para o exercício, dentro do respectivo âmbito, de poderes regulamentares, disciplinares e outros poderes de natureza pública - art. 22°, n.º 1, da Lei n.º 30/2004, de 21 de Julho (LBD).
Relativamente às competições reconhecidas como de natureza profissional, os poderes de natureza pública que cabem à respectiva federação desportiva serão exercido por uma liga profissional dos clubes participantes nessas competições profissionais - arts. 34°, n.º 3 e 39°, n.º 1, al. d), ambos do DL n.°144/93, de 26 de Abril, na redacção dada pelo DL n.º 117/97, de 9 de Maio, sempre sob a tutela da federação desportiva em que se insere.
A FPF, enquanto instituição de utilidade pública desportiva, exerce em exclusividade poderes de natureza pública no âmbito de todas as competições de futebol; porém, quanto às competições de futebol de carácter profissional (os campeonatos da Liga Betandwin e Liga de Honra) esses poderes são exercidos pela LPFP enquanto órgão autónomo da FPF para o futebol profissional, e sob a tutela desta.
É à LPFP que cabe exercer, em relação aos seus associados, as funções de tutela e controlo disciplinar.
As federações, e consequentemente as ligas, são entidades com poderes de auto regulamentação, com respeito pela legalidade e do estado de direito, o que é legalmente aferido por entidade externa - PGR.
Todas as infracções às regras do jogo, bem como as infracções às normas desportivas em geral, são sindicáveis nas instâncias jurídicas desportivas mercê dos poderes disciplinares concedidos à LPFP.
E serão sindicáveis nos tribunais judiciais as questões desportivas?
O artigo 63º RD da LPFP diz, sob epígrafe “O recurso a tribunais comuns sem autorização da Liga e FPF”, que:
“Os Clubes que, salvo nos casos directa, expressa e legalmente previstos, submetam aos Tribunais a apreciação de questões contidas na regulamentação desportiva serão punidos com pena de baixa de divisão (…) não carece de autorização a interposição de acções judiciais destinadas a efectivar a responsabilidade por factos ilícitos culposamente praticados pela FPF, Liga, titulares dos seus órgãos ou funcionários”.
Este artigo deve ser conjugado com o nosso ordenamento jurídico, e do qual faz parte.
Ao que directa e necessariamente contende com o preceito em análise, temos que o interpretar em conjugação com o vertido no artigo 47º da LBD:
“Não são susceptíveis de recurso fora das instâncias competentes na ordem desportiva as decisões e deliberações sobre questões estritamente desportivas”.
E a Lei de Bases define como questões estritamente desportivas “aquelas que tenham por fundamento normas de natureza técnica ou de carácter disciplinar, nomeadamente as infracções disciplinares cometidas no decurso da competição, enquanto questões de facto e de direito emergentes da aplicação das leis do jogo, dos regulamentos e das regras de organização das respectivas provas.”.
O arguido é um clube de futebol que disputa uma competição de natureza profissional – Liga Betandwin -, sendo associado da LPFP – artigo 7º dos Estatutos da LPFP.
É direito do arguido, como associado da LPFP, que os órgãos da Liga cumpram os regulamentos internos – artigo 9º alínea d) dos Estatutos da LPFP.
E foi precisamente isso que a LPFP, através da sua direcção executiva, fez ao aplicou um regulamento interno - "Regulamento para Inscrições e Transferências dos Praticantes Amadores" e, com fundamento no mesmo, não aceitou o pedido de registo de um contrato de trabalho desportivo com o jogador Mateus Galiano da Costa, pretensão essa formulada pelo arguido.
O arguido, na sua qualidade de associado da LPFP, deve ser conhecedor dos diversos regulamentos que regem o futebol profissional. O cumprimento desses regulamentos é uma obrigação dos associados da LPFP – artigo 10 nº 1 alínea a) dos Estatutos da LPFP, assim como o acatamento das deliberações dos seus órgãos - alínea h) do mesmo preceito estatutário e artigo 11º alínea c) do “Regulamento Geral” da LPFP.
Ao socorrer-se da jurisdição comum a fim de impugnar, designadamente, uma decisão de um Director da Comissão Executiva da LPFP, o arguido, para além de ter feito tábua rasa das suas obrigações, acabou por incorrer na alçada disciplinar, por atentar contra a autonomia e suficiência da jurisdição desportiva, conforme o legalmente consagrado e atrás referido, com relevância no disposto no artigo 63 do “Regulamento Disciplinar” da LPFP.
O arguido lançou mão da jurisdição comum, reagindo objectivamente contra os regulamentos a que se obrigou como associado da LPFP. Se discordava dos estatutos e regulamentos sempre poderia, nessa qualidade, pugnar em Assembleia-Geral da LPFP pelas alterações que entendesse justificadas. Não o fez, devendo saber que é aquele o órgão que tem competência exclusiva para “Aprovar os regulamentos disciplinar…e os demais regulamentos internos;”, tal como se encontra preceituado no artigo 27 dos Estatutos da LPFP.
O arguido não poderá olvidar que é associado de uma Liga que tem por fim a “regulamentação das competições de carácter profissional que se disputam no âmbito da FPF” – artigo 5º nº 1 alínea c) dos estatutos da LPFP -, designadamente a regulamentação da inscrição dos jogadores. Daí que a inscrição de um jogador num campeonato organizado por um determinado conjunto de clubes, muito dificilmente poderá ser encarada como uma questão que interesse a outras entidades que não os próprios jogadores e esses mesmos clubes, no que respeita aos efeitos decorrentes da sua inscrição desportiva.
A Liga é uma associação que tem como um dos seus fins “…a gestão dos assuntos inerentes à organização e prática do futebol profissional e das suas competições;” – artigo 5º nº 1 alínea b) dos Estatutos da LPFP, daí a natureza desportiva dos seus regulamentos, tal como o “Regulamento Disciplinar” e o "Regulamento para Inscrições e Transferências dos Praticantes Amadores".
No caso em apreço não se encontra expressa e legalmente previsto que os Clubes possam submeter aos tribunais a apreciação de questões contidas na regulamentação desportiva. Assim o arguido rompeu com as regras do jogo. Enquanto associado da Liga, o que implica direitos e deveres, foi usufruindo do legítimo gozo dos seus direitos até ao momento em que, por imposição de um regulamento a que sabe estar vinculado, foi contrariado numa sua pretensão. Decidiu então procurar fora da jurisdição desportiva, ou seja nos tribunais comuns, e mesmo antes de a ter esgotado, a satisfação de uma pretensão que viola o regulamentado. Com esta conduta o arguido, objectivamente, viciou a igualdade exigível por todos e para com todos os competidores, que cumpriram com as regras estipuladas para a inscrição e transferência de jogadores. O arguido pretendeu um tratamento diferenciado, procurando assim subverter em seu benefício, o que seguramente não poderia consentir para outros. Daí se entender a reacção dos seus pares, quando denunciam a situação e o estratagema anti regulamentar do arguido.
Todas as construções jurídicas serão possíveis. Dir-se-ia mesmo que as respectivas conclusões servirão interesses legítimos. Mas o que não se poderá escamotear, para além do referido espírito, é a letra dos regulamentos, que todos os visados terão que cumprir, a fim de garantir uma situação de igualdade regulamentar entre os que intervêm na competição. O Regulamento é inequívoco, quando na sua letra refere que "Os Clubes que … submetam aos Tribunais a apreciação de questões contidas na regulamentação desportiva serão punidos com pena de baixa de divisão.". Mal ou bem é o que está escrito. Ler o que não está, será deixar ao arbítrio das conveniências do momento de quem deveria, em primeira linha, pugnar, como é seu direito, pela verdade e igualdade de tratamento entre todos aqueles que integram uma mesma competição. Se os regulamentos não satisfazem, que se pugne pela sua alteração, no momento e lugar próprios. Não poderão é ser "rasgados" quando não satisfazem os interesses particulares, geradores de inadmissíveis privilégios e desigualdades. O que regula a prática da actividade desportiva, com destaque para a profissional, tem de se aplicar a todos os competidores. O recurso à jurisdição comum, enquadra-se efectivamente numa regulamentação desportiva, e que outra poderia ser? Estamos no domínio de regras predefinidas, e todas elas em função de uma competição desportiva, com a particular responsabilidade pela sua natureza profissional e respectivas consequências. Relativamente a outras regulamentações, mormente as que integram o ordenamento jurídico geral, os Clubes, como qualquer outra entidade colectiva, poder-se-á socorrer dos tribunais comuns. Em situações próprias, poderá também convencionar o recurso à arbitragem, aceitando-a de forma a dispensar o uso da jurisdição comum. Mutatis mutantis, a situação em apreço tem as suas similitudes. O arguido, sendo associado da Liga, assumiu aceitar as normas internas, assim como a jurisdição desportiva para dirimir conflitualidade. Ao não agir conforme as regras que aceitou ao entrar na competição, sabia quais as consequências. A queixar-se só de si próprio. A carpir vitimização de decisões popularmente apelidadas de "secretaria", não poderia deixar de esconder que foi precisamente isso que procurou alcançar com a sua conduta, ao pretender uma decisão dos tribunais comuns contrariando uma outra de um órgão da Liga, que apenas se limitou a cumprir um regulamento interno, e como tal de natureza desportiva.
Que diriam os outros competidores se a Liga, como sua associação, não atalhasse as condutas anti regulamentares? Seria um precedente, seguramente grave, por ninguém poder fazer uma avaliação das possíveis consequências. As regras, plasmadas nos regulamentos internos, são previamente estabelecidas antes das competições. Mesmo que no decurso da competição sejam alteradas em Assembleia-Geral, em regra e nos termos estatutários, só entram em vigor na época seguinte. Todos os intervenientes conhecem essas regras. Só lhes é exigível que as cumpram. A não ser assim, estar-se-ia a contribuir para a descredibilização do futebol profissional, atentando contra os direitos e legítimas expectativas dos outros competidores. Há um fim que a todos deveria nortear, o da defesa dos interesses comuns do futebol profissional (artigo 5º nº 1 alínea b) dos Estatutos da LPFP), de fácil percepção por quem coabita com este fenómeno social.
Os Clubes podem recorrer aos Tribunais para solucionar as questões relativas a assuntos, mas de natureza extra desportiva. Por vezes é a única solução. Quando assim sucede estão a exercer um direito geral, constitucionalmente consagrado.
Doutra forma e conforme foi referido cometem uma infracção disciplinar, devendo ser punidos em conformidade com o que se encontra tipificado na respectiva regulamentação, que a todos os associados da LPFP obriga, como é o caso do arguido. Seria inadmissível que os regulamentos se aplicassem a uns associados e não a outros. Tal não pode ser aceite, sob pena de se estar a subverter a verdade desportiva.
*
Também não se entenderá que o impedimento da inscrição de um jogador seja um atentado à sua liberdade laboral. O Clube e o jogador continuam a poder celebrar contratos de trabalho. Poderá é não ser possível utilizar, porque não inscrito, o jogador nas provas disputadas na competição organizada pela entidade que legalmente impõe as regras para essa participação. Outra questão seria a discussão sobre se esse impedimento seria, ele mesmo, uma limitação à liberdade laboral. De todo modo podemos adiantar que existem diversas Ordens, no ordenamento jurídico português, que impõe condições de acesso à prática da profissão pelo que não se alcança como poderia a questão ser dirimida por outras entidades que não os próprios Clubes que organizam a competição.
*
Regista-se a especial atenção da norma contida no artigo 63º do RD da LPFP, que prevê ainda a possibilidade de autorização por parte da FPF ou da Liga para que os Clubes possam recorrer aos tribunais.
Essa autorização, melhor seria falar na interpretação do artigo, não poderá ter a leitura alheia da realidade, que lhe é dada no "Parecer" junto à contestação.
Não é a falta de autorização, independentemente do tipo de questão, que torna a decisão ou deliberação inimpugnável. Apenas se explicaria esta ideia com a falha de qualquer outro motivo para escrever…
Tal autorização, entenda-se, é desqualificante da infracção, não se destina a qualificar como infracção qualquer conduta.
Sendo aproveitada em benefício do arguido tanto vale que esteja prevista em epígrafe, no corpo, ou na interpretação efectuada dentro do espírito legal. Como é do conhecimento de qualquer jurista, só o facto descrito e declarado é passível de pena por lei anterior ao momento da sua prática, não sendo permitido o recurso à analogia para qualificar um facto como crime, definir um estado de perigosidade ou determinar a pena ou medida de segurança que lhes corresponda. O contrário, isto é o recurso à analogia para desqualificar um facto como crime, estado de perigosidade ou desresponsabilizar é admissível e não carece de forma especial.
De todo o modo se refira que não é apenas em epígrafe que tal autorização vem expressa, já que no nº 1 do referido artigo disciplinar também expressamente se refere sobre os casos expressa e legalmente previstos assim como o nº 2 volta a referir a autorização, agora pela sua falta.
De facto a redacção do artigo não prima por rigor técnico-jurídico. Antes pelo contrário, a técnica legislativa a ele subjacente é deficiente. Afigura-se conveniente a sua revisão.
*
Por último a ser possível a pretensão do arguido, sempre se dirá que só seria contenciosamente impugnável “as decisões e deliberações definitivas das entidades que integram o associativismo desportivo”.
O processo cautelar apresentado pelo arguido foi um preliminar de uma acção administrativa especial de impugnação de actos administrativos, ainda a intentar, como os próprios Requerentes indicaram expressamente no intróito do seu requerimento inicial.
Tal como já havia sido referido na oposição àquele requerimento defendeu-se a inimpugnabilidade do acto por falta de lesividade e de interesse processual na sua impugnação contenciosa.
Concretamente, os actos impugnandos na acção principal a instaurar – e suspendendos no processo cautelar – são os actos de indeferimento da inscrição e registo de Mateus Galiano da Costa como jogador profissional de futebol ao serviço do Gil Vicente F.C., para efeitos da participação daquele nas competições profissionais de futebol organizadas sob os auspícios da LPFP e da FPF.
Mesmo que se entendesse que os actos suspendendos são actos praticados em questão externamente impugnável, sempre teríamos que ver se eles são definitivos ou não.
Os actos impugnandos na acção principal são dois:
- o Despacho do Vice-Presidente Administrativo da FPF, de 12 de Janeiro de 2006, que indeferiu o pedido de inscrição de Mateus Galiano da Costa como jogador com o estatuto de profissional, notificado à arguida, por intermédio da Associação de Futebol de Braga, nessa mesma data; e
- o Despacho de 11 de Janeiro de 2006 de indeferimento proferido pelo Director Executivo da LPFP, e notificado à arguida nessa mesma data.
A Liga e a Federação exercem poderes de natureza pública no âmbito das competições profissionais de futebol.
A atribuição do estatuto de utilidade pública desportiva confere às federações desportivas a competência para o exercício, dentro do respectivo âmbito, de poderes regulamentares, disciplinares e outros poderes de natureza pública - art. 22°, n.º 1 da LBD.
Relativamente às competições reconhecidas como de natureza profissional, os poderes de natureza pública que cabem à respectiva federação desportiva serão exercidos por uma liga profissional de clubes participantes nessas competições profissionais - artigos 34º n.º 3, e 39° n.º 1, al. d), ambos do DL n.°144/93, de 26 de Abril, na redacção dada pelo DL n.º 117/97, de 9 de Maio -, sempre sob a tutela da federação desportiva em que se insere.
A FPF enquanto instituição de utilidade pública desportiva, exerce em exclusividade poderes de natureza pública no âmbito de todas as competições de futebol; porém, quanto às competições de futebol de carácter profissional (os campeonatos da Liga Betandwin e Liga de Honra) esses poderes são exercidos pela LPFP enquanto órgão autónomo da F.P.F. para o futebol profissional, e sob a tutela desta.
Nos termos do art. 6.º, n.º 1, al. q), dos Estatutos da LPFP e do art. 47.º, n.º 1, al. d), dos Estatutos da FPF e do art. 10.º, al. c), do Regimento do Conselho de Justiça da FPF, das decisões da Comissão Executiva da LPFP, bem como das decisões dos seus membros, cabe recurso para o Conselho de Justiça da FPF.
Sendo que o Director Executivo da LPFP é membro da Comissão Executiva – artigo 41.º, n.º 1, dos Estatutos da LPFP.
Nos termos do art. 47.º, n.º 1, al. b), do Estatutos da FPF e do art. 10.º, al. a), do Regimento do Conselho de Justiça da FPF, das decisões da Direcção da FPF e das decisões dos respectivos membros cabe recurso para o Conselho de Justiça da mesma Federação.
Sendo que o Vice-Presidente Administrativo da FPF é membro da sua Direcção – art. 31.º, n.°s 1 e 2, do Estatutos da FPF.
Prevê o artigo 35.º do Regimento do Conselho de Justiça da FPF que “Os recursos devem ser interpostos no prazo de 7 ou 10 dias, consoante o recorrente seja domiciliado no Continente ou nas Regiões Autónomas”.
Prazo que é peremptório e contínuo e se conta a partir da data da notificação da decisão recorrida – art. 27.º, n.ºs 1 e 3, do Regimento do Conselho de Justiça da FPF.
Ora, resulta que o arguido não se socorreu deste meio de impugnação graciosa dos actos suspendendos.
Resulta também que o prazo para interpor os referidos recursos terminou no dia 19 de Janeiro de 2006 sem que o arguido deles se tivesse socorrido.
Se é verdade que à luz do novo contencioso administrativo a impugnação administrativa de actos administrativos deixou de ser um requisito indispensável à existência de um pressuposto processual objectivo (a recorribilidade do acto), também é verdade que o CPTA não teve a virtualidade de revogar as disposições avulsas que prevejam a existência de meios necessários de impugnação graciosa de actos administrativos.
Nesse sentido, O CPTA não tem, porém, o alcance de revogar as múltiplas determinações legais avulsas que instituem impugnações administrativas necessárias, disposições que só poderiam desaparecer mediante disposição expressa que determinasse que todas elas se consideram extintas.
A impugnabilidade dessas decisões e deliberações só se verifica quando estivessem esgotados os meios internos (do associativismo desportivo) de impugnação administrativa.
As decisões ou deliberações tomadas antes de esgotados esses meios internos de impugnação administrativa – como é o caso dos actos suspendendos dos autos – não seriam contenciosamente impugnáveis, por falta de lesividade e de interesse processual na sua impugnação contenciosa.
Com efeito, a impugnação administrativa necessária passou agora a ser olhada sob duas novas perspectivas: por um lado, a utilização destes meios de impugnação graciosa passa a reconduzir-se a um pressuposto processual relativo às partes (o interesse processual); por outro lado, da (in)existência de interposição de recursos administrativos necessários passa também a aferir-se a eventual lesividade do acto impugnado.
É que, o acto sujeito a recurso administrativo necessário não é um acto lesivo, pois não é ainda a última palavra da Administração já que o facto de se encontrar sujeito à reapreciação ou reexame de um órgão tutelar ou hierarquicamente superior, torna a pronúncia administrativa numa pronúncia apenas potencialmente lesiva, sendo que essa potencial lesividade só se consolidará com o termo do prazo de impugnação administrativa necessária ou com o acto que, em sede do recurso administrativo, confirmar o acto recorrido.
Na vigência do art. 25.° da LPTA a definitividade era um requisito da recorribilidade dos actos administrativos, que não se preenchendo conduzia a ilegalidade do recurso contencioso por carência de objecto; porém, na vigência do CPTA, evoluiu-se de um contencioso objectivo para um contencioso subjectivo que já não assenta sobre o “recurso de actos”, mas sim sobre acções relativas às relações jurídicas administrativas que aos actos estão subjacentes.
Efectivamente, o que se pretende naqueles casos em que o legislador estabeleceu a necessidade de impugnação administrativa prévia, é que o recurso ao contencioso administrativo não surja de forma gratuita e impetuosa, mas antes venha na sequência do esgotamento interno dos poderes de pronúncia da Administração, ou de quem estiver fazendo as vezes desta, como é o caso.
Não tendo o particular feito uso desses meios impugnatórios administrativos necessários, carece de interesse processual na impugnação contenciosa do acto.
O mesmo se diga, também, quanto a um eventual pedido de condenação da Liga e Federação à prática de acto legalmente devido. Nada obstaria a que o arguido esgotasse os meios graciosos previamente à dedução do pedido condenatório, devendo mesmo fazê-lo quando a lei preveja especialmente, para o caso concreto, uma reclamação ou recurso hierárquico necessários. O CPTA não eliminou o carácter necessário das impugnações administrativas, quando estas estejam especialmente previstas na lei. Relativamente a um acto de indeferimento praticado por um órgão subordinado, o interessado deverá interpor um recurso hierárquico, se isso constituir uma específica exigência legal.
Se o interessado for confrontado com a recusa de um determinado órgão (subalterno) da Administração em praticar o acto administrativo que lhe havia sido requerido — ou for confrontado com o seu silêncio — a propósito de um caso expressamente submetido por lei a impugnação administrativa necessária, ele deve (tem o ónus de) seguir primeiro a via administrativa, junto do respectivo superior hierárquico, só lhe sendo dado acesso ao tribunal para efeitos de condenação da Administração depois disso, de o superior hierárquico também ter omitido ou indeferido a pretensão que lhe foi formulada no tal recurso hierárquico.
Verifica-se, pois, que ambos os actos suspendendos nos presentes autos de processo cautelar estariam sujeitos a impugnação administrativa necessária perante o Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol.
Porém o Gil Vicente, de resto como o atleta Mateus Galiano da Costa, veio a deduzir em momento algum esse meio impugnatório administrativo, cujo prazo, aliás, já expirou.
Daí que ambos os actos suspendendos teriam que se considerar inimpugnáveis por não se ter esgotado, internamente, até à exaustão os meios de impugnação.
Qual seria a consequência da impugnação, nomeadamente através de acção administrativa especial, de actos não definitivos da LPFP ou da FPF?
A sanção seria a de o Clube não poder impugnar tais actos, isto porque não estavam preenchidas as condições processuais necessárias para uma apresentação regular da impugnação.
A sanção, então, para essa irregularidade processual está expressamente prevista na Lei: é a absolvição da instância, nos termos do artigo 89º, nº 1, alínea c) do CPTA.
Do ponto de vista técnico jurídico a impugnação administrativa necessária não corresponde ao cumprimento de uma obrigação, constituindo antes um ónus ou um obstáculo que o interessado tem de vencer no contexto do descondicionamento do exercício de um direito fundamental.
No cenário ideal temos que concluir que a obtenção do deferimento da impugnação de uma qualquer decisão ou deliberação, mesmo que a título preventivo, e sem que esta seja definitiva, constitui uma desatenção do aplicador da lei. Da mesma forma que havia sido uma distracção ou eventual ignorância, do requerente da impugnação.
Em suma, o arguido não utilizou dos meios para efectuar a impugnação administrativa necessária perante o Conselho de Justiça da FPF.
Daí que aqueles actos seriam inimpugnáveis à luz do artigo 63º RD da LPFP e 46º da LBD, porque não esgotados exaustivamente os meios internos de impugnação.
*
O facto de posteriormente o Gil Vicente F.C. ter vindo a desistir da instância na acção judicial, não tendo logrado alcançar qualquer efeito da mesma, não tem interesse para o caso em apreço, uma vez que a infracção já havia sido cometida, precisamente a quando do recurso aos tribunais comuns, como se analisou.
*
O Regulamento Disciplinar da LPFP considera como infracção muito grave, passível de uma sanção de descida de divisão, o recurso aos tribunais comuns sem autorização da Liga ou da Federação, infracção que se apurou o arguido ter cometido.
Sem necessidade de outros considerandos, entende-se que deve o arguido ser sancionado com a pena aplicável, ou seja passagem da Liga Betandwin para a Liga de Honra, tendo também em particular atenção a necessidade de prevenção geral e a defesa da regulamentação desportiva e da reserva de um espaço à justiça desportiva.


III- Dispositivo
Face ao exposto, acordam os membros da Comissão Disciplinar da Liga Portuguesa de Futebol Profissional e na procedência da acusação face à matéria de facto provada, em condenar o Gil Vicente F.C. com a pena de baixa de divisão pela prática da infracção disciplinar muito grave - o ter recorrido a tribunais comuns -, em conformidade com o disposto no artigo 63 nº 1 do "Regulamento Disciplinar" da Liga Portuguesa de Futebol Profissional.

Custas a cargo do arguido, nos termos do artigo 188 do Regulamento Disciplinar da Liga Portuguesa de Futebol Profissional.

Fixam se os honorários ao instrutor em 200 € (duzentos euros).

Registe e notifique (artigos 19, 20 e 187, todos do Regulamento Disciplinar da Liga Portuguesa de Futebol Profissional).


Aos